PAÍS

Violência escolar contra professores

Lisboa e Porto continuam a ser os distritos onde se registaram mais casos de violência: respectivamente 36 e 18. Segue-se Leiria com 9%. A Linha SOS Professores recebeu queixas de 33 docentes. A maior parte refere-se a mulheres.

Dois em cada dez contactos para a Linha SOS Professor relataram agressões físicas e mais de metade episódios de agressão verbal, desde o início do ano lectivo, apesar de uma redução significativa no número de chamadas.

De acordo com a Associação Nacional de Professores (ANP), esta linha telefónica recebeu 33 chamadas entre 11 de Setembro de 2008 e 28 de Fevereiro deste ano, um número bastante inferior quando comparado com os 124 contactos registados entre 11 de Setembro de 2007 e 28 de Março de 2008.

"A nossa convicção é de que a grande maioria das situações já começa a ser resolvida ao nível das escolas. Os próprios conselhos executivos estão mais atentos a têm hoje uma resposta muito mais pronta e muito mais adequada perante este tipo de situações do que anteriormente", afirmou João Grancho, presidente da ANP, em declarações à agência Lusa.

Apesar da redução significativa do número de chamadas, sete professores (21 por cento) relataram agressões físicas e 19 agressões verbais (57,7 por cento). No ano passado, estes valores foram de 30,6 e 52,4 por cento, respectivamente.

Episódios de mau relacionamento (27 por cento) e situações de indisciplina (18 por cento) completam as quatro ocorrências mais denunciadas pelos docentes.

Nos relatos registados, os intervenientes mais apontados são professor-aluno (66 por cento), seguindo-se professor-encarregado de educação (24 por cento) e professor-turma (seis por cento).

Os episódios a envolver professores e alunos são mais frequentes ao nível da agressão verbal (15 situações), seguida da indisciplina (cinco) e ainda a agressão física (quatro) e ocorrem mais regularmente no Ensino Secundário (oito) e no terceiro ciclo do Básico (cinco).

Quanto à forma como os docentes lidam com estas ocorrências, verifica-se que no total apenas três professores apresentaram queixa na PSP ou na GNR (nove por cento). Aliás, contactar o Conselho Directivo ou o director de turma foi a primeira diligência de 16 professores (48 por cento). "A grande maioria dos professores ainda tem receio de apresentar queixa junto das autoridades".

Os próprios conselhos executivos passaram a assumir essa função.

Fonte: Jornal de Notícias

 

Data de introdução: 2009-03-16



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...