OPINIÃO

Afeganistão: o Iraque de Obama?

O presidente Obama anunciou, há dias, o envio próximo de mais 12.000 soldados para a missão da NATO no Afeganistão. Com este reforço, o contingente militar norte-americano neste país, atingirá os 50.000 homens As notícias referentes a esta decisão da Casa Branca não fizeram referência a qualquer reacção da opinião pública. Embora, neste momento, o perigo para os combatentes americanos no Afeganistão seja mais grave do que no Iraque, parece que o povo aceita mais resignadamente a intervenção militar no país dos talibãs.

O novo presidente não pode ser acusado de ter mentido aos eleitores. Desde o início da campanha eleitoral que ele defendeu a aceleração do processo de saída do Iraque e de um empenhamento mais profundo no Afeganistão, a fim de evitar o regresso dos chamados “estudantes de teologia” ao poder e impedir o desenvolvimento do terrorismo internacional. Tratava-se de uma opção que, apesar dos riscos que envolveria para os soldados norte-americanos e suas famílias, não chegou para pôr em causa o seu triunfo eleitoral. Obama ganhou, entre outras razões, por ter sido sempre contra a guerra no Iraque, mas não foi penalizado por ser a favor da continuação e do reforço da presença militar no Afeganistão.

Não há, certamente, uma contradição clara entre estas duas opções, mas não deixa de de ser interessante perguntar porque é que as mortes no Afeganistão não tiveram ainda o mesmo impacto emocional e fracturante que as mortes no Iraque tiveram e ainda têm na opinião pública norte-americana e mundial. Entre outras razões, naturalmente, porque ainda não se podem comparar, em termos quantitativos e mediáticos.

A decisão de enviar mais 12.000 solados para o Afeganistão, ou 17.000, como preferem dizer outros, significa, antes de mais, que Washington não aceitará o regresso dos talibãs ao poder. É um aviso claro aos responsáveis pela guerrilha e pelo terror. Obama tem pressa em estabilizar definitivamente aquele país e garantir que o número de soldados americanos mortos naquele país não vai crescer. Caso contrário, pode acontecer-lhe o que aconteceu a Bush.
Rapidamente e em força para o Afeganistão, parece ser a palavra de ordem do novo presidente, em matéria de combate ao terrorismo. O problema é que os americanos acabarão por recordar do que lhes aconteceu, depois de apoiarem entusiasticamente Georges W Bush, quando este fez o mesmo apelo, relativamente ao Iraque…

António José da Silva

 

Data de introdução: 2009-07-12



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...