UNICEF

Cerca de 30% das crianças sofrem abuso sexual

Entre 5% e 10% das crianças dos países industrializados são vítimas de abuso sexual com penetração durante a infância, denuncia um relatório do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef). "Durante toda a infância, de 5 a 10% das meninas e até 5% dos meninos são vítimas de abuso sexual com penetração, e um número três vezes maior de crianças sofre alguma forma de abuso sexual", afirma o relatório "Progresso para as crianças: um balanço da protecção da criança".
"A cada ano, pelo menos 4% das crianças dos países industrializados são vítimas de maus-tratos físicos, e uma criança em cada dez é vítima de negligência ou maus-tratos psicológicos, em 80% dos casos, por seus pais ou tutores", diz o estudo da Unicef.
De uma maneira geral, "o número de crianças no mundo expostas à violência, à exploração e aos maus-tratos é profundamente perturbador", destaca o fundo, que publica o relatório por ocasião dos 20 anos da Convenção da ONU para os Direitos da Criança.
Dois em cada três crianças no mundo sofrem castigos corporais. Entre 500 milhões e 1,5 bilhão são vítimas anualmente de algum tipo de violência, acrescenta.
Além disso, "mais da metade das crianças detidas no mundo não foram nem julgadas nem condenadas", enquanto o trabalho infantil é uma realidade para mais de 150 milhões de crianças entre 5 e 14 anos de idade", segundo a Unicef.
Cerca de 51 milhões de crianças não foram registadas ao nascer, metade delas no sul da Ásia. O relatório ressalta que "crianças que não têm registo de nascimento estão mais expostas aos riscos da exploração sexual e da adopção ilegal".
Mais de um bilhão de crianças vive em regiões afectadas por um conflito armado e 18 milhões estão refugiadas, enquanto mais de 250.000 são recrutadas por grupos armados.

AFP

 

Data de introdução: 2009-10-07



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...