CIGANOS

França quer acabar com acampamentos ilegais

O dirigente da Federação das Associações Ciganas de Portugal (FECALP) espera que o presidente francês, Nicolas Sarkozy, seja "bem aconselhado" e volte atrás na decisão de acabar com metade dos acampamentos ilegais em França. O governo francês anunciou que vai encerrar, no prazo de três meses, "metade dos campos ilegais" de ciganos e nómadas no país, provocando a condenação da oposição. "Acho muito estranho que Sarkozy, que é um homem tão tolerante até com a sua vida particular - que nós não temos nada a ver com isso -, seja um homem que não está a respeitar os acordos de paz e de livre circulação e que esteja a condenar um povo que já está condenado há muitos anos", disse António Pinto Nunes, da Federação das Associações Ciganas de Portugal (FECALP).

O dirigente realçou que "a França foi um dos países que condenou a Itália quando a Itália teve atitudes racistas com os ciganos" e que o próprio presidente francês "foi um dos homens que recriminou o presidente iraniano quando fez umas declarações racistas contra Israel". "Creio que, se for bem aconselhado, ele vai voltar atrás [nesta decisão]", acrescentou, sublinhando que esta atitude "não contribui para o êxito daqueles que muito se comprometem a fazer e afirmam em assembleias e em todo o lugar que querem contribuir para a inclusão do cigano na sociedade maioritária".

Em reacção à decisão francesa, a Comissão Europeia clarificou que a expulsão de ciganos acampados ilegalmente em França é da exclusiva competência do Estado francês. "Eu até concordo com isto, mas não podemos generalizar, porque está a ocorrer uma estigmatização do povo cigano, porque por um cigano comer uma pera, nem todos os outros gostam de fruta", disse António Pinto Nunes.
O dirigente cigano realçou que Nicolas Sarkozy "está a mandar derrubar bairros ilegais, mas nestes bairros deve haver muita gente que está incluída na sociedade, que trabalha, que tem bons fundamentos e quer aprimorar o seu modo de vida". "O Sr. Sarcozy tem de verificar que nem tudo o que anda na rua é mulher da rua", considerou.

 

Data de introdução: 2010-08-05



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...