AÇORES

Cinco idosos beneficiam de serviço de teleassistência

Cinco idosos do concelho de Angra do Heroísmo, na Terceira, Açores, já estão a beneficiar do serviço de teleassistência, que funciona 24 horas por dia, disse a presidente do município, Andreia Cardoso. "Dos 16 idosos que concorreram a este serviço gratuito, cinco já estão a funcionar em pleno", afirmou a autarca, acrescentando que este serviço é controlado pela Cruz Vermelha Portuguesa em Angra do Heroísmo.

Andreia Cardoso salientou que "os restantes pedidos de adesão estão em análise", adiantando que é possível alargar o serviço até ao máximo de quatro dezenas de pessoas. "Talvez nem todos tenham sabido desta possibilidade ou não tenham percebido o seu alcance, pelo que a colaboração das juntas de freguesia na divulgação e explicação junto dos idosos é fundamental", frisou.

No quadro deste serviço de teleassistência, os idosos passam a dispor de uma ligação directa a um centro de atendimento da Cruz Vermelha, através de uma pulseira, colar ou telefone, onde um operador em permanência durante 24 horas decide o apoio a prestar.

"Pode ser uma simples conversa devido à solidão, pode ser o aconselhamento sobre medicação ou um pedido de auxílio médico", referiu Andreia Cardoso.

A autarca salientou que o município financia a compra dos aparelhos, que custam 25 euros, cedendo-os depois gratuitamente aos utentes, pagando mensalmente à Cruz Vermelha uma taxa de 11 euros por cada idoso inscrito no serviço.

Andreia Cardoso considerou que este tipo de apoio "vai contribuir para a melhoria da qualidade de vida dos idosos e aumentar a sua segurança", frisando tratar-se de "mais um meio que contraria a institucionalização de idosos".

Fonte: Diário de Notícias

 

Data de introdução: 2010-09-07



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...