VILA VERDE

Misericórdia entra na rede nacional cuidados continuados

A Santa Casa da Misericórdia de Vila Verde assinou um acordo com a Administração Regional de Saúde do Norte para a integração dos serviços da instituição na rede nacional de Cuidados Continuados, disse hoje o seu provedor. Bento Morais adiantou à Lusa que o acordo "cria as condições para a intervenção da instituição junto de pessoas com perda transitória de autonomia, potencialmente recuperável, que necessitam de cuidados clínicos, de reabilitação e de apoio psicossocial, em regime de internamento de média duração".

Acrescentou que a ARS - Norte e o Instituto de Segurança Social "prestarão o apoio técnico necessário à Santa Casa, para o desenvolvimento dos cuidados de saúde".
A admissão dos utentes na Unidade de Cuidados Continuados da Misericórdia -- frisou -- "proceder-se-á por referenciação da equipa coordenadora local".

Para Bento Morais, o protocolo assegura "capacidade de resposta a uma carência social cada vez mais premente na sociedade actual, seja em meios urbanos ou rurais, com pessoas de terceira idade que perderam a sua autonomia e sem possibilidade de receber apoio de familiares".
"No actual contexto, fortemente marcado pela pressão económica e laboral que se abate sobre as famílias, a Santa Casa mantém-se fiel aos seus princípios e valores de bem fazer", garante.

O Provedor acentua que "a Misericórdia é, hoje, a maior instituição do concelho e um referencial de dinamismo, graças à forte diversidade de serviços na área social e ao nível da saúde".
"São 65 anos de história com uma invulgar capacidade de resposta para superar as necessidades da população, marcada pela ruralidade e pela interioridade da nossa região", sustenta.

 

Data de introdução: 2010-11-05



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...