OPINIÃO

Multiculturalismo e integração

Em Novembro de 2006, escrevemos num jornal do Porto um texto breve a que demos precisamente este título: multiculturalismo e integração. O artigo referia-se de modo especial à Inglaterra e à situação provocada pela avalanche de imigrantes muçulmanos - cerca de dois milhões - que, num espaço de tempo relativamente curto, se fixaram o Reino Unido.

A propósito, recordávamos nesse texto que, vinte anos antes, o governo britânico tinha iniciado uma política que motivara a admiração e o apoio de quantos se preocupavam com os problemas da imigração. O governo de Londres não só se tinha aberto a uma generosa política de acolhimento, como tinha feito do multiculturalismo o grande princípio dessa política. Nesse contexto favorável, não só cresceu galopantemente o número de imigrantes muçulmanos, como também estes puderam conservar e aprofundar a sua identidade cultural.

Só que as relações e os laços que estes imigrantes criavam eram orientados, quase exclusivamente, para os seus irmãos de cultura e não para as comunidades autóctones em que se acolhiam e de que aproveitavam apenas as condições económicas. Politicamente deixavam de ser estrangeiros, mas permaneciam voluntariamente estranhos, criando assim verdadeiros guetos culturais.

O texto que então escrevemos terminava assim: “ é sempre difícil harmonizar, a contento de todos, o dever da integração e o direito à diferença. Mas, depois do entusiasmo pelo multiculturalismo, os responsáveis políticos do Reino Unido começam a sentir a necessidade de privilegiar a integração”.
Lembrámo-nos deste comentário, a propósito de questões sociais e políticas levantadas, nos últimos tempos, em alguns países europeus, pelo fenómeno da imigração. A Comunicação Social deu grande relevo à “expulsão”de grupos de ciganos oriundos da Roménia, uma decisão tomada pelo governo de Paris e que provocou um debate intenso, dentro e fora da França. Mais ainda, os resultados de algumas eleições europeias recentes favoreceram partidos claramente xenófobos. Por último, foi a própria senhora Merkel a admitir o fracasso da generosa política alemã de acolhimento de imigrantes, referindo-se particularmente à enorme comunidade turca que habita no seu país.

Que a integração deve ser o grande princípio a presidir à política de acolhimento, a começar logo pela aprendizagem obrigatória da língua, defendeu a chanceler. Na sua opinião, o direito à diferença não é incompatível com o dever da integração.
Foi neste cenário que surgiu, há dias, a notícia de que um africano, emigrado do Gana, tinha vencido as eleições autárquicas para a presidência da câmara de uma pequena cidade da Eslovénia. Um sinal de que o caminho da aceitação e da prática do multiculturalismo, embora difícil, pode chegar a bom porto? Oxalá!

Por António José da Silva

 

Data de introdução: 2010-11-09



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...