OPINIÃO

Listas de espera para matar a fome?

Hoje, dia 30 de Novembro, antes de começar a escrever esta crónica, aconteceu-me ouvir num programa de rádio a seguinte informação, que me entristeceu muito!
Alguém, em representação de uma Paróquia, dizia: “nós temos duas listas de espera: a lista provisória e a lista definitiva”. No decorrer da entrevista percebi que para ter sorte era preciso ser incluído na “lista definitiva”. Ou seja: poder ter uma refeição diária com alguma garantia! Depreende-se que os da “lista de espera provisória” só teriam direito a comer se os donativos fossem muitos ou então, por desistência de alguém da “lista definitiva”!

E o que me entristeceu não foi a notícia, mas sim a crueza da realidade, que todos nós sabemos acontecer!
Não me resigno a imaginar o meu país transformado num país de pedintes a estender a mão à solidariedade das pessoas de boa vontade e algumas possibilidades que entendem (e bem) que, por exigência ética, devem partilhar um pouco do que têm para que outros, sem nada terem, possam ter acesso a um direito tão simples como alimentar-se a si e à sua família, tamanhas são as carências que uma crise social gravíssima vem afectando milhares e milhares de famílias!

Sempre que ouço falar da “dívida soberana”, como se fosse uma fatalidade que o destino nos reservou, sinto uma revolta interior: então sucessivos Governos do nosso Estado, por nós eleitos e pagos, deixaram-nos em herança negra um calote astronómico que terá de ser pago, com língua de palmo, por várias gerações… e a única explicação que nos dão é esta: temos de apertar o cinto para cumprirmos um novo desígnio nacional pomposamente apelidada “dívida soberana”???
Bem sei que a pobreza e as extremas carências que afectam o dia-a-dia de tantos portugueses não se compadecem com atrasos no acesso a bens essenciais de sobrevivência que, felizmente, ainda lhes vão chegando graças à generosidade e a múltiplas iniciativas solidárias de imensa gente!

Porém, seria um salutar acto de cidadania participativa usarmos e até abusarmos da credibilidade que nos é conferida pelas nossas acções solidárias para, cada vez mais, nos tornarmos militantes da denúncia de quem vai a votos para governar e nos desgoverna e de quem tem sido, através de manhosas e sofisticadas técnicas, tem agravado as desigualdades sociais, essa guilhotina assassina da justiça e do bem-comum, aproveitando recursos dos mais pobres para os desviar em proveito de sacrílegas fortunas!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2010-12-13



















editorial

ANO NOVO – NOVOS DESAFIOS

(...) Deve relevar-se como um passo muito significativo o compromisso constante do Pacto de Cooperação, no sentido de o Estado e as Instituições deverem repartir de forma equitativa os encargos com as respostas sociais em que existem...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A revisão do Pacto para a Solidariedade
Nos últimos dias do ano transato os Presidentes da Associação Nacional dos Municípios Portugueses (AMNP), da Associação Nacional de Freguesias (ANAFRE), da...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORT. DO VOLUNTARIADO

ESTRATÉGIA NACIONAL DE COMBATE À POBREZA: Um nobre desafio a Portugal
Finalmente, foi aprovada uma Estratégia Nacional de Combate à Pobreza (ENCP). Apesar de haver aspetos importantes por conhecer, no que respeita a exequibilidade desta Estratégia, em...