OPINIÃO

Listas de espera para matar a fome?

Hoje, dia 30 de Novembro, antes de começar a escrever esta crónica, aconteceu-me ouvir num programa de rádio a seguinte informação, que me entristeceu muito!
Alguém, em representação de uma Paróquia, dizia: “nós temos duas listas de espera: a lista provisória e a lista definitiva”. No decorrer da entrevista percebi que para ter sorte era preciso ser incluído na “lista definitiva”. Ou seja: poder ter uma refeição diária com alguma garantia! Depreende-se que os da “lista de espera provisória” só teriam direito a comer se os donativos fossem muitos ou então, por desistência de alguém da “lista definitiva”!

E o que me entristeceu não foi a notícia, mas sim a crueza da realidade, que todos nós sabemos acontecer!
Não me resigno a imaginar o meu país transformado num país de pedintes a estender a mão à solidariedade das pessoas de boa vontade e algumas possibilidades que entendem (e bem) que, por exigência ética, devem partilhar um pouco do que têm para que outros, sem nada terem, possam ter acesso a um direito tão simples como alimentar-se a si e à sua família, tamanhas são as carências que uma crise social gravíssima vem afectando milhares e milhares de famílias!

Sempre que ouço falar da “dívida soberana”, como se fosse uma fatalidade que o destino nos reservou, sinto uma revolta interior: então sucessivos Governos do nosso Estado, por nós eleitos e pagos, deixaram-nos em herança negra um calote astronómico que terá de ser pago, com língua de palmo, por várias gerações… e a única explicação que nos dão é esta: temos de apertar o cinto para cumprirmos um novo desígnio nacional pomposamente apelidada “dívida soberana”???
Bem sei que a pobreza e as extremas carências que afectam o dia-a-dia de tantos portugueses não se compadecem com atrasos no acesso a bens essenciais de sobrevivência que, felizmente, ainda lhes vão chegando graças à generosidade e a múltiplas iniciativas solidárias de imensa gente!

Porém, seria um salutar acto de cidadania participativa usarmos e até abusarmos da credibilidade que nos é conferida pelas nossas acções solidárias para, cada vez mais, nos tornarmos militantes da denúncia de quem vai a votos para governar e nos desgoverna e de quem tem sido, através de manhosas e sofisticadas técnicas, tem agravado as desigualdades sociais, essa guilhotina assassina da justiça e do bem-comum, aproveitando recursos dos mais pobres para os desviar em proveito de sacrílegas fortunas!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2010-12-13



















editorial

Novos passos na Cooperação

Com a assunção por parte do Estado das comparticipações familiares das crianças do 1º e 2º escalão, já cerca de 50.000 crianças tinham Creche gratuita. Entretanto, a Lei nº 2/2022, de 3 de janeiro, determina...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

Trabalho digno
O governo apresentou no Parlamento um diploma que define um conjunto de novas regras para regular o mercado de trabalho e intitulou esse conjunto como a Agenda para o Trabalho Digno.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (IV)
Continuando na senda das reflexões anteriores, conheçamos, agora, o que pensa o Papa Francisco, na sua Carta Encíclica Fratelli Tutti, sobre a importância da política...