ASSOCIAÇÃO DO VOLUNTARIADO DO HOSPITAL S. JOÃO, PORTO

As batas amarelas são uma espécie de anjos da guarda dos doentes

Circulam pelos vastos corredores de bata amarela, naquele que é o maior hospital da região Norte. Ao princípio não se distingue muito bem qual é a função que desempenham. Até que se aproximam de um doente e perguntam se precisa de alguma coisa e, na medida do possível, tentam dar resposta ao pedido.
Os voluntários do hospital de S. João comemoram este ano 25 anos de existência e orgulham-se de ser a primeira instituição do género em Portugal. Actualmente constituídos como instituição particular de solidariedade social, são cerca de 350 voluntários distribuídos pelos diversos serviços do hospital.
O início remonta à década de 80, quando a fundadora, Teresa Salgado, constituiu um grupo de “visitadores” que iam de serviço em serviço levar uma palavra de conforto aos doentes e ser útil em algumas tarefas diárias.

Carlos Dias é presidente da instituição há três anos, médico de profissão, este dirigente enfatiza a importância do trabalho das “batas amarelas” no hospital. “Quem vive dentro dos hospitais apercebe-se que os profissionais, médicos, enfermeiros e auxiliares, têm tarefas específicas e não podem dar ao doente mais atenção, mais carinho ou até mais tempo e disponibilidade, e estas pessoas vêm preencher essa lacuna”. O médico lembra que as normas de gestão hospitalar são extremamente rigorosas e que a crescente evolução tecnológica contribuiu para uma desumanização da relação entre o doente e o profissional de saúde. “Há 30 anos, junto da cama dos doentes havia uma cadeira, todas as camas tinham uma cadeira, e o profissional de saúde, médico ou enfermeiro, sentava-se à cabeceira do doente, conversava com ele, sabia a história da família, a profissão, onde morava. Hoje não há tempo para isso e já nem existem essas cadeiras”.
O trabalho organizado começou em 1985, com 86 elementos. Foi necessário criar regras de conduta e normas de procedimentos até para não entrar em conflito com as tarefas desempenhadas pelos profissionais. Os voluntários estão divididos segundo os serviços médicos do hospital, desde a medicina, que comporta 200 camas de internamento, à pediatria, cirurgia, oncologia e urgência, entre outras áreas de actuação. Existe um coordenador de serviço e um coordenador geral que faz a ligação com a direcção da instituição.

Todos os dias da semana há batas amarelas a circular no hospital. Conceição Costa é voluntária há 25 anos. Começou por vir ajudar o marido internado à hora das refeições, mas acabou por auxiliar outros doentes que não conseguiam comer sozinhos. “O meu marido estava internado em traumatologia e havia pouco pessoal para dar a comida à hora das refeições e então, como eu vinha ajudar o meu marido, passei também a fazê-lo a outros doentes e desde aí que cá estou”, explica. Uma das enfermeiras apercebeu-se do trabalho que a senhora fazia e falou-lhe da associação e Conceição Costa tornou-se voluntária.

“O voluntário deve ter muita solidariedade, generosidade e disponibilidade e não deve, em situação nenhuma, interferir com a orgânica do serviço”, refere Carlos Dias. Para além do carinho e das pequenas ajudas, a associação montou uma cafetaria na zona da consulta externa e de onde retira algumas receitas para ajudar à sustentabilidade do projecto. É com esse dinheiro que conseguem, por exemplo, distribuir semanalmente “1500 a 1600 pequenos-almoços”, com os carrinhos com que animam os doentes à espera de vez. “Há gente que vem de longe e pode estar ali das seis da manhã até à tarde”. Nos carrinhos há 460 a 480 euros de bolachas tipo “maria” ou de água e sal por semana, 35 litros de leite por dia - este oferecido pelo hospital –, cevada e chá. Circulam também pelo serviço de sangue e pelo hospital de dia. E não, não servem apenas os doentes. Há os familiares deles. E até quem venha de fora do hospital só para o café com leite. “Já tivemos um grupo de crianças de bairros próximos que vinham cá comer”, conta Conceição Costa. Além disso, a instituição também recebe apoio da Cruz Vermelha Portuguesa e do Banco Alimentar.

Existe uma relação estreita com o serviço social do hospital e sempre que solicitada, a associação tenta responder a pedidos de roupa, de transporte, etc. “Há doentes a quem tem que se cortar a roupa quando chegam à urgência e depois ficam sem nada para vestir e nós tentamos ter sempre roupa no armazém para lhes dar”, diz o responsável. “E também chega para vestir os sem-abrigo”, acrescenta. Existe ainda dinheiro para o táxi dos idosos que recebem alta para ir para lares. Fazem também por ter o armazém sempre pronto a apoiar recém-nascidos que precisem. “Infelizmente há muita gente nessa situação e as assistentes sociais pedem-nos apoio”.

Os voluntários também transformaram a sala de espera da consulta de pediatria no “Jardim do Joãozinho”. Com a supervisão de uma educadora do hospital, duas voluntárias, ambas professoras já reformadas, brincam e desenvolvem actividades com as crianças doentes e à espera de serem atendidas ou de tratamento. Por mês passam pelo jardim mais de seis mil crianças.

Com cerca de 350 voluntários, a associação continua a receber muitos pedidos de pessoas que querem ajudar, mas existem critérios de admissão. “As pessoas candidatam-se, vêm a uma entrevista e se forem aceites passam um ano a estagiar num serviço acompanhadas por outro voluntário mais experiente. Assim, averiguamos se têm, de facto, aptidão para exercer o voluntariado com as especificidades que este tem”, explica Carlos Dias. Ao fim do ano, o grupo que é aceite na equipa participa numa cerimónia, onde confirma a sua vocação através de uma espécie de “compromisso de honra”. O encaminhamento para os diversos serviços é feito de acordo com as preferências de cada um, sempre que é possível.

A associação tem voluntários desde os 20 aos 80 anos, maioritariamente mulheres (74 por cento), distribuídos pelos serviços entre as 8 e as 24 horas, todos os dias da semana. Colaboram com o serviço de humanização do hospital e tentam melhorar o conforto dos doentes e familiares, por exemplo, com a oferta de televisões ou outros equipamentos. No Natal participam activamente na decoração do hospital e organizam um grande convívio. Periodicamente têm acções de formação e também dão apoio na criação de outras associações de voluntariado hospitalar noutras zonas do país.

“As batas amarelas já são parte deste hospital”, afirma o presidente da associação. Direccionam os doentes nas urgências, conduzem-nos pelos confins do edifício, ajudam-nos a comer, a deslocar-se aos tratamentos e a sorrir. “O diálogo é fundamental. A mão sobre a mão do outro, em silêncio, já diz que há uma presença humana do outro lado”, acredita Conceição Costa, que faz do voluntariado vida.


Texto: Milene Câmara

 

Data de introdução: 2010-12-13



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...