OPINIÃO

2012: Ano da luta pela dignidade humana

Após as trocas de boas festas e feliz ano novo, mesmo que as festas não tenham sido lá muito boas, para muita gente, nem haver garantias de que o novo ano 2012 nos venha trazer muitas felicidades, o simples facto de podermos acordar com vida e de nos sentirmos com saúde, família e amigos, deverá constituir para nós motivo de esperança e confiança no futuro! Talvez neste Natal de 2011 tenhamos compreendido melhor que nunca o Natal de Belém: na pobreza, na austeridade, numa criança indefesa rodeada do carinho dos pais, após terem apanhado, em várias pensões, com a porta na cara, por serem pobres e sem boa aparência!
Curiosa e até profeticamente, o já chamado “Natal da crise” talvez venha a contribuir para que, em face do que se vai ouvindo e experimentando na pele, possamos intuir que isto possa contribuir para ir acabando com a “crise da Natal”, fazendo ver, a crentes e não crentes, que o verdadeiro e genuíno Natal foi, na sua origem, para continuar a projectar-se ao longo dos tempos, por um lado, um imenso grito de protesto contra todas as desumanidades que teimam em nascer e medrar nos corações dos homens e nas relações entre as nações e, por outro, um clarão de luz e esperança em tempos novos e numa nova humanidade.
Tempos novos em que o HOMEM não seja rejeitado nem explorado pelos interesses económicos e pelos detentores dos “vários poderes” que, em vez de servirem e libertarem o HOMEM, lhe negam o acesso à sua legítima DIGNIDADE!

Que o Cristo do presépio, qual “homem novo” e uma verdadeira INCARNAÇÃO DE DEUS NA NOSSA HISTÓRIA, na pessoas de uma criança chamada JESUS, nos faça levantar a cabeça e gritar também no tempo que nos tocou viver, o “tempo da crise”: não nos ajoelharemos diante do ídolo do DINHEIRO! Não venderemos a nossa DIGNIDADE, seja a que preço for! Se a austeridade e a simplicidade de vida foram o preço a pagar pela restituição da nossa LIBERDADE e CIDADANIA, vamos a isso!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2012-01-25



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...