OPINIÃO

Direitos dos pobres ou deveres dos ricos?

Dizer aos mercados financeiros que, em Portugal, os parceiros sociais são mansos e o povo acatará, como cordeiro, todas as restrições aos direitos sociais que a Constituição lhe garante, em nome da crise, pode incendiar quem começa a sentir falta de pão na mesa, a entregar a casa ao banco, a ver-se despojado de um emprego ou de oportunidades de trabalho a que se considera com direito!
Em face da crise, que vai apertando cada vez mais o dia-a-dia de milhares de portugueses, começa a circular por aí um conceito muito equívoco: “proteger os direitos dos pobres”!
A gente percebe a frase…mas talvez não seja pior ideia, em vez de nos organizarmos para proteger os direitos dos pobres, sermos mais audazes na afirmação da doutrina social da Igreja que hoje, mais que nunca, deverá constituir um referencial ético ao chamar a atenção para os “deveres dos ricos” ! Com efeito, “as sobras dos ricos não serão já pertença dos pobres”? Talvez possa ajudar-nos a tomar consciência desta dimensão ética da doutrina social da Igreja esta passagem de S. João Crisóstomo: “Tu, que revestes a tua cama de prata e de ouro o teu cavalo, se te pedirem contas e explicações de tanta riqueza, que razão alegarás? Quando tu já estiveres morto, as pessoas que passarem diante do teu palácio, vendo o seu tamanho e luxo, dirão ao seu vizinho: «ao preço de quantas lágrimas foi edificado este palácio? De quantos órfãos deixados nus? De quantas viúvas injustiçadas? De quantos operários espoliados de seu salário»? Sim, nem morto escaparás das acusações”!
Só mais um texto de São Basílio: “ o pão que para ti sobre é do faminto…quem acumula mais que o necessário pratica crime” !
Ler e pensar nisto pode ser uma forma muito consistente de solidariedade, que não precisa nem de equipamentos, valências ou muitos técnicos!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2012-05-13



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...