SOLIDARIEDADE

Igreja quer maior atenção a novas formas de pobreza

A Conferência Episcopal Portuguesa está a preparar um documento que oriente as instituições católicas de acção social para as novas formas de pobreza existentes, segundo anunciou em Fátima o porta-voz da CEP.

Na Assembleia Plenária da CEP, que decorre esta semana em Fátima, os bispos portugueses estão a preparar um documento com "princípios orientadores", que deverá ser aprovado na próxima reunião magna dos prelados, em Abril de 2005, procurando incentivar as instituições católicas de acção social a estarem mais atentas aos novos fenómenos de pobreza, explicou D. Tomaz Nunes.

Embora estas "novas formas de pobreza" não tenham sido pormenorizadas na reunião dos bispos, D. Tomaz Nunes considerou, "a título pessoal", que as instituições católicas devem estar atentas a questões como o desemprego nos licenciados, problemas de exclusão entre os imigrantes ou o apoio aos idosos.

Embora já exista uma "grande abertura das nossas instituições" a alguns destes fenómenos, D. Tomaz defende uma maior flexibilidade na actuação dos organismos católicos de acção social, adaptando-os às novas realidades.

Por outro lado, este documento vai procurar reforçar "o carisma próprio" das instituições católicas de acção social, estabelecendo a "missão caritativa e evangelizadora" como uma das suas principais preocupações.

O objectivo é "rever os estatutos das instituições e repensar, nalguns casos, as prioridades estabelecidas", afirmou o porta-voz da CEP, defendendo ainda uma melhoria da "qualidade técnica" dos seus elementos e organização.

lém deste documento, os bispos agendaram para a próxima Assembleia Plenária de Abril um outro documento sobre os bens culturais da Igreja, procurando a sua valorização no quadro da nova Concordata.

 

Data de introdução: 2004-11-15



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...