CASA DO GAIATO

Ministro diz que modelo de funcionamento deve ser repensado

O ministro da Segurança Social, Fernando Negrão, assegurou que já foram tomadas medidas para salvaguardar os interesses das crianças da Casa do Gaiato e defendeu que o modelo de funcionamento da instituição deve ser repensado.

"Ás vezes o que acontece é que as pessoas estão a trabalhar de boa-fé, mas o modelo nem sempre é o mais adequado", disse Fernando Negrão aos jornalistas, à saída do debate do Orçamento de Estado, que decorre na Assembleia da República.

Questionado sobre os resultados da auditoria realizada pela Segurança Social à Casa do Gaiato, que conclui pela existência de indícios de maus-tratos psicológicos e físicos, e descreve o ambiente da instituição como sendo de "isolamento, repressão e clausura", Fernando Negrão garantiu que "já há medidas tomadas para salvaguardar os interesses das crianças".

Para o ministro da Segurança Social, a discussão deverá agora centrar-se no modelo de funcionamento da Casa do Gaiato: "a discussão deve ser sobre se será o mais adequado", disse.

Fernando Negrão adiantou ainda que o seu ministério já está a trabalhar para a construção de equipas de técnicos da Segurança Social e da Casa do Gaiato, que deverão intervir na instituição.

O ministro da Segurança Social garantiu também que "o Governo está empenhado em enfrentar situações como esta", tal como já o fez em relação à Casa Pia de Lisboa, embora não tenha qualquer tutela sobre a Casa do Gaiato.

O actual ministro das Finanças e antigo ministro da Segurança Social Bagão Félix recomendou prudência a leitura do relatório final da auditoria. "Temos de ter cuidado com a leitura apressada de relatórios", frisou, recordando que, enquanto ministro de Segurança Social, iniciou averiguações não só na Casa do Gaiato, mas em todas instituições que acolhem crianças.

 

Data de introdução: 2004-11-22



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...