MAREMOTO DA MORTE

Imagens terríveis e úteis

Pela primeira vez, os cientistas têm ao seu dispor centenas de imagens detalhadas do momento em que um tsunami chega à costa. Os videoamadores que captaram o momento exacto em que o mar invadiu a terra, no Sudeste asiático, prometem contribuir para estudos mais aprofundados do fenómeno. 

Segundo Maria Ana Baptista, espe- cialista em tsunamis do Centro de Geofísica da Universidade de Lisboa, «esta é uma ocasião única» para complementar as simulações numéricas até agora realizadas. Agora, os cientistas podem observar «ao pormenor» o tipo e a forma como os objectos são arrastados. «É o caso do comboio que foi derrubado. 

Nunca pensei que tal fosse possível», confessa a geofísica, lembrando ainda a hipótese de se traçarem «boas estimativas» da velocidade da vaga. Por outro lado, as imagens vêm trazer nova luz sobre velhos relatos de outros tsunamis, como o de 1755, em Lisboa. «As descrições de caravelas completamente voltadas, por exemplo. Agora temos a prova de que não há exagero nos testemunhos», afirmou ao DN Maria Ana Baptista. 

A riqueza das filmagens do maremoto vêm, ao mesmo tempo, «aumentar a exigência do trabalho científico, a nível da simulação de modelos hidrodinâmicos de geração, propagação e, sobretudo, inundação», obrigando os especialistas a serem mais rigorosos. E o mesmo se passará em termos da avaliação dos riscos e dos cuidados a ter na tipografia das costas. 

Embora reconheça que possam existir outras filmagens de tsunamis, como o do Japão, Maria Ana Baptista não hesita em considerar estas imagens «as mais ricas» de sempre, até pelo facto de existirem vídeos do fenómeno em vários países, mostrando o impacto das ondas em territórios distintos. «E todos os dias surgem imagens novas. 

Nunca se viu nada assim», explica a cientista, esperando que alguns projectos de investigação em tsunamis, antes recusados, sejam agora recuperados, a nível do Programa-Quadro europeu.

Fotos: Imagens de satélite da zona norte de Banda Aceh, na Indonésia. A imagem de cima foi captada a 23 de Junho de 2004. A outra imagem reporta a dois dias após a passagem do tsunami devastador.

 

Data de introdução: 2005-01-07



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...