SETOR SOLIDÁRIO

Fundo de Reestruturação dá mais de 25 milhões de euros a 98 instituições

Mais de 25 milhões de euros vão ser distribuídos por 98 instituições sociais através do Fundo de Reestruturação do Setor Solidário, tendo outras 43 ficado de fora, algumas por não reunirem condições de reembolso. A lista está publicada na página do Instituto da Segurança Social (ISS) e revela as 98 entidades às quais foi aprovado o financiamento, num valor global de 25.104.555,65 euros.

As instituições sociais não recebem todas o mesmo valor e a verba mais elevada chega aos 500 mil euros, sendo atribuída a dez, entre a Obra Social de Torre de Vilela, em Coimbra, a Santa Casa da Misericórdia de Montijo ou o Centro de Caridade Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, no Porto, por exemplo.

Entre as Misericórdias foi aprovado financiamento a 21 (Albufeira, Alfândega da Fé, Bragança, Cascais, Celorico de Basto, Covilhã, Espinho, Fornos de Algodres, Fundão, Manteigas, Mirandela, Montijo, Penacova, Ponte da Barca, Ribeira de Pena, São João da Madeira, Sernancelhe, Serpa, Tarouca, Vila de Pereira e Vila Verde), no valor global de 7.507.440,29 euros. Este valor representa cerca de 30% do total que foi agora distribuído pelas 98 instituições.

A verba mais baixa é de 15.183,90 euros e foi atribuída à Associação de Solidariedade Social de Vila Cova, em Penafiel. Na lista total constam 99 associações, mas o Espaço T, Associação parao Apoio à Integração Social e Comunitária, no Porto, desistiu do apoio ainda durante o mês de agosto.

Por outro lado, há 43 instituições em relação às quais foi decidido não financiar, havendo em relação a quatro a indicação de não reunirem as condições de reembolso, sendo elas a Associação de Pais para a Educação, Cidadania, Desenvolvimento e Apoio, em Braga, a Associação Cultural Recreativa e Social de Samuel, em Soure, a Associação de Solidariedade de Montejunto, em Lisboa, e o Centro Social de São Pedro do Afonsoeiro, em Montijo.

No decorrer da audição na Comissão de Orçamento, Finanças e Administração Pública (COFAP), o ministro da Solidariedade, Emprego e Segurança Social disse que a verba do Fundo de Reestruturação do Setor Solidário iria "chegar brevemente" às 99 entidades cujas candidaturas foram aprovadas em concurso.  

 

Data de introdução: 2014-11-06



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...