ERPI

Arouca tem dois novos equipamentos

Arouca acaba de ganhar mais duas Estruturas Residenciais Para Idosos (ERPI), o que representa um total de 45 novas camas para utentes, mediante um investimento global na ordem dos 2,4 milhões de euros.
Os dois equipamentos agora inaugurados – pertença do Centro Social de Canelas e Espiunca e do Centro Social de Chave – têm um historial semelhante, pois ambas as instituições começaram a construir os respetivos lares há vários anos, mas viram as empreitadas interrompidas devido a problemas de financiamento.
Custódio Pinho, o presidente do Centro Social de Canelas e Espiunca, admite que a obra “era mais urgente em 2008, porque quando o lar começou a ser feito não havia vagas por perto”, mas reconhece também que, após um interregno de cinco anos devido a “falta de verbas”, a conclusão do edifício tem agora maior significado coletivo.
“A obra custou cerca de 1,3 milhões e recebemos menos de 400 mil euros do PARES (Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais). Para o restante tivemos de fazer um peditório nas nossas duas freguesias e recorremos também a um empréstimo à banca”, explica o presidente da instituição, realçando: “Há aqui contributo de muita gente”.
Quanto à procura, já não será tão intensa quanto em 2008, mas “as camas continuam sempre a fazer muita falta”, pelo que, das 15 disponíveis, o lar já tem 10 reservadas.
“Isto significa que os habitantes aqui da zona agora já têm mais hipóteses de ficar perto de casa, quando antes chegaram a ter que ir para sítios como Vila Real, que ficavam a muita distância das suas famílias”, argumenta Custódio Pinho.
O novo equipamento de Canelas e Espiunca integra ainda as respostas de centro de dia e de serviço de apoio domiciliário, mas essas valências começam a funcionar apenas a 2 de dezembro, sendo que cada uma terá capacidade para apoiar 30 pessoas.
Isso representa um universo total de 75 novos utentes, pelo que o Centro Social criou 13 novos postos de trabalho para o efeito e, quando todos os serviços estiverem a funcionar em pleno, deverá ter reforçado essa equipa com mais cinco a sete profissionais.
Já em Chave, o novo lar também começou a ser construído em 2009, mas a interrupção das obras deveu-se à insolvência do empreiteiro. No total, o investimento acabou assim por custar 1,1 milhões de euros, no que o PARES contribuiu com cerca de 500.000.
Com uma oferta de 30 camas, o novo equipamento só começa a funcionar a 26 de dezembro, mas já tem quatro utentes em espera. Postos de trabalho, por enquanto, só foram criados quatro, mas, quando em pleno funcionamento, o edifício deverá contar com 17 profissionais ao serviço.
“Temos pedidos de todo o lado”, declara Rui Brandão, que preside ao Centro Social de Chave, revelando que “uns são de S. João da Madeira, Feira e Oliveira de Azeméis, mas também há inscritos de Ovar, Albergaria-a-Velha e até Águeda”.

 

Data de introdução: 2016-11-26



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...