SANTA CASA DA MISERICÓRDIA DE BRAGANÇA

Instituição firma protocolo inovador com Estabelecimento Prisional

A Santa Casa da Misericórdia de Bragança assinou um protocolo inovador com a Direção-Geral de Reinserção dos Serviços Prisionais, que prevê o alojamento de reclusos em saídas precárias e que não tenham retaguarda familiar.
Para o diretor-geral dos Serviços Prisionais, Celso Manata, o protocolo é um marco a nível nacional por ter um caráter “inovador” e ser “um exemplo a nível nacional”, explicando: “Este acolhimento é um problema para o qual não tínhamos grande resposta e que agora passamos a ter. Acresce ainda o facto de a Misericórdia de Bragança dar a possibilidade a essas pessoas de poderem trabalhar. É mais um fator positivo que vai pesar de forma muito substancial quer nas decisões de saída precária, quer nas decisões de liberdade condicionada”.
Celso Manata lembrou ainda que a Misericórdia de Bragança marca a diferença com a assinatura do protocolo, modelo que vai tentar replicar no resto do País.
Entre outras questões, o protocolo agora estabelecido prevê a prestação de serviços na área da reintegração social, prestação de cuidados de saúde e psicologia aos reclusos do Estabelecimento Prisional de Bragança, que, por seu turno, disponibilizam mão-de-obra para a recuperação de um edifício no centro da cidade, pertença da Santa Casa brigantina.
O provedor Eleutério Alves referiu que o aproveitamento desta mão-de-obra vai ainda permitir a conservação de outros equipamentos antigos e desgastados que a instituição possui.
Eleutério Alves destacou ainda o facto de o acordo agora firmado não envolver qualquer cláusula financeira, baseando-se simplesmente na partilha de serviços: “Temos que ultrapassar a atitude de «se tu tens eu também quero» e passar à atitude de «se tu precisas eu tenho disponível e partilho»”.

 

Data de introdução: 2017-02-02



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...