CONGRESSO ELEITORAL DA CNIS

Lista única quer “reforçar as IPSS e o Estado Social”

No próximo dia 12 de janeiro, no Domus Carmelis, em Fátima, decorrerá o ato eleitoral para os órgãos sociais da CNIS que contará com uma única lista a sufrágio. «Reforçar as IPSS/Reforçar o Estado Social» é o título do programa de candidatura aos órgãos sociais da CNIS, cujo candidato a presidente da Direção é, novamente, o padre Lino Maia.
O documento traça as linhas de força do que a lista candidata pretende implementar, sendo que em muitos casos trata-se de dar continuidade ao trabalho feito pelas últimas direções lideradas pelo padre Lino Maia.
Apostar na cooperação, exigir mais respeito por parte do parceiro Estado, acautelar a sustentabilidade das instituições e do Sector Social Solidário, entre muitas outras, são bandeiras da lista candidata, erguidas em nome da coesão social, territorial e organizativa.
Pode ficar a conhecer o documento na íntegra AQUI.
Como principais alterações a lista institucional apresenta como candidato a vice-presidente da Direção Eleutério Alves, enquanto a Mesa da Assembleia Geral sofre uma quase completa transformação, surgindo como candidato a presidente José Carlos Batalha.
Já Lacerda Pais é também novamente candidato ao cargo de presidente do Conselho Fiscal.
O prazo de entrega de candidaturas terminou no passado dia 29 de dezembro, tendo entrado nos serviços da CNIS apenas uma candidatura.
Assim, a lista candidata a sufrágio para o quadriénio 2019-2022, no próximo dia 12 de janeiro, cujo mandatário é João Carlos Dias é a seguinte:

Mesa da Assembleia Geral
Presidente: José Carlos Borges Batalha (União Distrital das Instituições de Solidariedade Social de Lisboa).
Vice-presidente: Gil Manuel Alves Tavares (APCC - Associação de Paralisia Cerebral de Coimbra).
Secretários: José Manuel Henriques Cera Casaleiro (APAC - Associação Popular de Apoio à Criança), Eduardo Júlio Quaresma Mourinha (União Distrital das Instituições de Solidariedade Social de Santarém) e João Manuel Baptista Canedo Reis (Lar D. Pedro V).

Direção
Presidente: Lino da Silva Maia (Centro Social de S. Martinho de Aldoar).
Vice-presidente: Eleutério Manuel Alves (Santa Casa da Misericórdia de Bragança).
Secretário: José Custódio Leirião (Centro Social Paroquial de Azambuja).
Tesoureiro: José Macário Correia (Centro Social de Santo Estevão).
Vogais: Maria de Lurdes Borges Póvoa Pombo da Costa (APPADCM de Castelo Branco), Maria João Rebelo Quintela (Associação Portuguesa de Psicogerontologia), José Lopes Baptista (Centro Social das Antas), Maria da Conceição Mendes Marques (Centro Sócio Cultural Desportivo Sande S. Clemente) e Roberto Rosmaninho Mariz (Centro Social da Paróquia de S. Lázaro).

Conselho Fiscal
Presidente: Carlos Alberto Lacerda Pais (Centro Comunitário da Vera Cruz).
1º vogal: Maria do Céu de Castro Fernandes Carreira Coelho (Centro Social Paroquial da Graça).
2º vogal: Fernando Júlio da Silva e Sousa (ARIFA - Associação dos Reformados e Idosos da Freguesia da Amora).

 

Data de introdução: 2019-01-02



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...