O Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente

O Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente deve as suas origens à Junta de Freguesia de 1985, que idealizava uma freguesia dotada de estruturas sociais que pudessem dar apoio aos seus membros da população mais desfavorecidos. 

Com um âmbito de acção capaz de dar resposta às problemáticas da 2.ª Infância, a Junta constatou não ser a entidade competente para solucionar as problemáticas da 1.ª infância e da 3.ª idade. No sentido de dar resposta a estas áreas de intervenção social foi então criada uma Instituição Particular de Solidariedade Social, sem fins lucrativos e com acordo de cooperação com o Ministério da Segurança Social e do Trabalho.

Com os recursos humanos e institucionais constituídos para levar a cabo a sua acção, faltavam agora os financeiros. Assume nesta fase um papel relevante um cidadão de S. Clemente residente em Moçambique que em 1910 havia doado uma quinta em testamento para socorrer as necessidades dos pobres da freguesia.

Parte desta quinta foi vendida para liquidar as primeiras despesas, e na outra parte foram construídos primeiros os edifícios da Creche, ATL e Junta de Freguesia e mais tarde o Lar e Centro de Dia. O nome da rua o¬nde se localiza o Lar, Rua Domingos da Silva, é uma homenagem a este benfeitor.

Perseguindo sempre o objectivo de acompanhar as necessidades das populações locais, o Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente tem como finalidade promover em colaboração com as famílias, o desenvolvimento físico, emocional, intelectual e social da criança, bem como proporcionar condições de qualidade de vida aos idosos.

A sua acção processa-se através das valências de creche, actividades de tempos livres, mini-lar de idosos, centro de dia para idosos e apoio domiciliário.

Para saber um pouco mais sobre o Centro Sócio Cultural e Desportivo de Sande S. Clemente consulte o site www.cssclemente.pt

 

Data de introdução: 2005-09-13



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...