PARA AS IPSS

Central de compras de Equipamentos de Proteção Individual

As instituições sociais de todo o país vão poder participar numa central de negociação para a aquisição de equipamentos de proteção individual (EPI) contra a pandemia de covid-19, cuja primeira compra arranca este mês.

"A ideia é ajudar as instituições particulares de solidariedade social (IPSS) a pouparem custos e garantirem a aquisição dos equipamentos necessários", afirmou o presidente da União Distrital das IPSS (UDIPSS) de Évora, Tiago Abalroado.

O responsável realçou que a necessidade da central "foi identificada" pelas IPSS do Alentejo, mas adiantou que a sua gestão ficou nas "mãos" da UNITATE - Associação de Desenvolvimento da Economia Social, que preside à UDIPSS de Évora, por ser "uma entidade de âmbito nacional", o que permite "a entrada de instituições de todos o país".

Segundo o presidente da UNITATE, a adesão a este procedimento negocial por parte das instituições sociais processa-se por via eletrónica e decorre até ao dia 13 deste mês.

"Vamos iniciar com esta necessidade mais premente que é a aquisição de máscaras, luvas, toucas, cobre-sapatos e álcool-gel", adiantou Tiago Abalroado, assinalando que a central "possibilitará no futuro" a abertura de negociação para outros produtos.

As IPSS, explicou o responsável, podem aceder "aos termos desta negociação" e indicar "as quantidades de EPI que consomem em média mensalmente", através do endereço eletrónico unitate.typeform.com/to/eRi1b3qi.

"Fazemos uma negociação coletiva com os fornecedores que entendam concorrer e, depois, informamos as instituições do preço que foi conseguido e elas aceitam ou não. Aceitando, asseguram o fornecimento destes bens pelo período de seis meses", referiu.

Serão feitas "seis entregas" de equipamentos, uma em cada mês, "entre agosto deste ano e janeiro de 2021", acrescentou.

Tiago Abalroado notou que, desde o início da pandemia de covid-19, o preço dos EPI sofreu "um aumento muito substancial", indicando que há equipamentos que "custam dez vezes mais do que aquilo que custavam" antes da pandemia.

"As IPSS lidam diariamente com utentes, alguns deles que fazem parte dos grupos de risco, como idosos e pessoas com deficiência e outras com problemas de saúde", pelo que "há necessidade de utilização dos equipamentos em todas as instituições", disse.

Advertindo que "as restrições financeiras das IPSS são muito elevadas" e que há instituições com "orçamentos que são recorrentemente deficitários", Tiago Abalroado insistiu que a central é "um instrumento de apoio" que pode permitir a aquisição de equipamentos a "custos mais reduzidos".

Portugal contabiliza pelo menos 1.629 mortos associados à covid-19 em 44.416 casos confirmados de infeção, segundo o último boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS).

 

Data de introdução: 2020-07-08



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...