FUNDAÇÃO ADFP, MIRANDA DO CORVO

Instituição vacina utentes e colaboradores contra a gripe e a pneumonia

Seguindo as orientações da Direção-Geral da Saúde, as centenas de residentes e colaboradores da Fundação ADFP estão a ser vacinados contra a gripe.

Cientes de que todos os anos morrem em Portugal milhares de pessoas com gripe e pneumonia, os responsáveis da Fundação decidiram associar à vacinação da gripe também a da pneumonia.
A Fundação com esta vacinação contra a pneumonia, associada a vacina da gripe, tem como objetivos aumentar a prevenção, procurando reduzir os riscos de mortes evitáveis num contexto de epidemia Covid-19.
Cada residente (ou família) paga a vacina contra a pneumonia de acordo com as regras do Serviço Nacional da Saúde. A instituição solicitou, previamente, autorização para a vacinação a cada residente, com respeito pela sua liberdade e capacidade de decisão.
A campanha destina-se a residentes maiores de 65 anos ou com risco aumentado devido a comorbidades e doenças crónicas.
A Fundação tem mais de 450 pessoas a residirem nas suas diversas estruturas.
Todas as residências da Fundação com pessoas idosas, deficientes ou doentes mentais, têm serviço de enfermagem permanente e consultas médicas, cuidados muito acima dos mínimos exigidos pelos regulamentos da Segurança Social.
Perante um universo tão diversificado de centenas de residentes, os dirigentes da instituição estão conscientes que a instituição enfrenta um elevado risco de contágio pela Covid-19, pelo que se justifica que tente reduzir os perigos com esta campanha de vacinação anti pneumonia e anti gripe.
O objetivo é garantir a máxima segurança possível aos residentes, prevenindo, dentro do possível, ocorrências que possam originar fatalidades.

 

Data de introdução: 2020-11-05



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...