COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO 2021-2022

É o possível não o desejável

O acordo foi finalmente alcançado e o Compromisso de Cooperação 2021-2022 acaba por refletir um acréscimo de 134 milhões de euros nas comparticipações financeiras do Estado. À atualização de 3,6% para todas as respostas sociais, acrescem 2% às respostas Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI), Serviço de Apoio Domiciliário (SAD), Lar Residencial e Residência Autónoma e ainda um reforço extra de oito milhões de euros para aquelas “mais fustigadas pela pandemia” (ERPI, Lar Residencial e Residência Autónoma). Na cerimónia de assinatura, o presidente da CNIS relembrou que “é preciso o Estado assumir as suas obrigações” para que “o Sector Social Solidário não colapse”.
Foi, o que se ousa dizer, um parto difícil, mas está, finalmente, assinado o Compromisso de Cooperação 2021-2022. As posições divergentes entre o Governo e o Sector Social Solidário, em especial no que toca à atualização das comparticipações financeiras, prolongaram o processo mais tempo do que era desejado, mas o acordo foi finalmente alcançado.
Assim, no passado dia 5 de julho, nas instalações do Instituto da Segurança Social, em Lisboa, Ana Mendes Godinho, ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, e Tiago Brandão Rodrigues, ministro da Educação, pelo Governo, e o padre Lino Maia, da CNIS, Manuel Lemos, da União das Misericórdias, Luís Alberto Silva, da União das Mutualidades, e Rogério Cação, da Confecoop, pelo Sector Social Solidário, firmaram o compromisso que vai guiar a cooperação nas seguintes áreas estratégicas: Segurança Social; Medidas Ativas de Emprego, de Formação Profissional, de Capacitação e de Qualificação; Saúde; Cuidados de Saúde e Apoio Social; Educação; e Sistema Nacional de Intervenção Precoce na Infância.
Relativamente à matéria que manteve durante muito tempo as partes distantes do acordo, o Compromisso de Cooperação 2021-2022 plasma uma atualização da comparticipação financeira do Estado de 3,6% (em 2020 fora de 3,5%), ao que acresce 2% para as “respostas mais fustigadas pela pandemia”, como referiu a ministra Ana Mendes Godinho.
“Relativamente às respostas sociais Estrutura Residencial para Pessoas Idosas (ERPI), Serviço de Apoio Domiciliário (SAD), Lar Residencial e Residência Autónoma, considerando a manutenção do estado pandémico, com implicações ao nível da atividade das instituições, ao agravamento das situações de dependência dos utentes das respostas, à manifesta necessidade de reforço de recursos humanos e aos custos acrescidos das despesas de funcionamento decorrentes dos referenciados fatores, mantém-se o reforço de 2% da comparticipação financeira da Segurança Social às mencionadas respostas”, pode ler-se no documento agora assinado.
A estes valores acresce um reforço de oito milhões de euros para as respostas sociais de ERPI, Lar Residencial e Residência Autónoma, a ser pago numa única tranche, já em agosto.
“Será efetuado, com caráter excecional e no processamento do mês de agosto, o pagamento de uma comparticipação única a distribuir pelas respostas sociais ERPI, Lar Residencial e Residência Autónoma, no valor de 8 M€, associada aos efeitos da pandemia e para fazer face às despesas extraordinárias no ano em curso, com o seguinte critério: montante calculado com base no número de utentes em acordo”, lê-se ainda.
Refira-se ainda que a atualização de 3,6% produz efeitos a 1 de janeiro de 2021, enquanto que o reforço de 2% produz efeitos a 1 de julho de 2021. Refira-se que este reforço já estava a chegar às instituições desde janeiro, mas por via de uma Portaria governamental.
“Esta é a maior atualização já feita em termos de Compromisso de Cooperação, ascendendo a um valor global de 134 milhões de euros”, referiu a ministra Ana Mendes Godinho, na cerimónia de assinatura do acordo, acrescentando: “Este é o maior reforço de sempre da cooperação e serve para apoiar o Sector Social Solidário e as respostas sociais mais fustigadas pela pandemia”.
A ministra da Segurança Social começou por lembrar que “vivemos tempos de grande turbulência”, mas também “tempos de grande dedicação e de enorme compromisso de em conjunto chegarmos às pessoas”.
“Esta é uma enorme missão conjunta”, frisou a governante, elogiando a “parceria virtuosa, um exemplo a nível mundial”, com o Sector Social Solidário.
“Sem vós, não teria sido possível passar a pandemia como temos passado. Quero aqui deixar um enorme agradecimento aos trabalhadores das instituições sociais, que são uns verdadeiros heróis”, sustentou, acrescentando: “O Sector Social é o parceiro-chave e o instrumento essencial para promovermos a coesão social e territorial”.
Ana Mendes Godinho aproveitou ainda a ocasião para deixar um desafio a todos: “Esta é uma grande oportunidade para fazermos melhor do que fazíamos. Com confiança, esperança e mobilização, esta é também uma oportunidade para reformular as respostas sociais”.
Por seu turno, o presidente da CNIS, em nome das quatro organizações representativas do Sector Social Solidário, “que se dão como uma só”, começou por dizer que o Compromisso de Cooperação 2021-2022 “é um documento importante e se assinámos é porque estamos de acordo”.
No entanto, o padre Lino Maia sustentou que “pode ser que precise, aqui e acolá de uma interpretação ajustada”, dando como exemplo a questão das farmácias.
“Se assinei é porque subscrevo e se subescrevo é porque aceito”, reforçou, depois, aos jornalistas, acrescentando: “O que é preciso agora, é ajustar as interpretações. Esse é um trabalho que vamos agora fazer. Vamos procurar uma posição conjunta com os diversos ministérios para que depois não haja situações menos claras. Muitas vezes o problema não são os ministros, por vezes são poderes que se instalam nos ministérios e que levam a interpretações erradas”.
“Nós sabemos, que os ministros sabem que nós sabemos que eles sabem que o Sector Social Solidário é um sector com que o Estado pode contar… e conta”, defendeu.
Ainda assim, “há assuntos que ficaram por resolver”, afirmou o padre Lino Maia, lembrando que “ainda há caminho a percorrer” e que, “se o estado prescindisse do sector social, teria mais despesa e não chegava aos mais carenciados”.
No momento em que passam 25 anos da assinatura do Pacto de Cooperação para a Solidariedade Social, o presidente da CNIS deixa um alerta: Deve aproveitar-se a revisão da “lei mestra da solidariedade” para “dar passos em frente, para que, de uma vez por todas, se apague a discussão sobre o nosso lugar, o nosso papel, que é insubstituível, e para que este sector não colapse”.
Nesta linha, o porta-voz das instituições sociais sublinhou que, “para ser Estado Social, o Estado tem que assumir as suas responsabilidades”, acrescentando: “A sustentabilidade deste sector depende da boa gestão, mas o Estado tem que cumprir com as suas obrigações. Sem este sector, Portugal seria um país pior. No entanto, este é um momento de esperança”.
Lembrando o papel decisivo de Ana Mendes Godinho – “Na ministra vemos uma amiga, muito persistente, uma persistência que quase incomoda” –, o líder da CNIS explicou que “o objetivo da senhora ministra foi que estivéssemos todos no mesmo barco”, deixando ainda elogios à secretária de Estado da Ação Social, Rita Cunha Mendes: “Nós dantes não a conhecíamos, mas habituámo-nos a ver nela o pivô da solidariedade, da cooperação e da comunhão. Fez um trabalho persistente para levar o barco a bom porto”.
No final, em declarações aos jornalistas, o presidente da CNIS salientou duas questões que preocupam o sector.
“A primeira, não está no compromisso, mas prende-se com a Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI). Estamos com dificuldades em contratar enfermeiros e outro pessoal, porque são requisitados pela Saúde. É preciso que haja elasticidade por parte do Ministério da Saúde em relação a esta matéria”, defendeu, acrescentando: “A outra questão tem a ver com o SAD, pois há o receio que possa haver um ataque às instituições por não prestarem todos aqueles serviços que em acordo de cooperação deviam prestar, mas que não é possível fazer. Por isso, é necessário haver a tal interpretação, o tal ajuste na aplicação dos normativos, porque as instituições não aceitam ataques”.
A CNIS tem planeados encontros com as IPSS associadas para melhor explicar o que está em causa no Compromisso de Cooperação 2021-2022.

FALECEU ROGÉRIO CAÇÃO

No dia seguinte à assinatura do Compromisso de Cooperação 2021-2022, Rogério Cação, presidente da Confecoop, faleceu. O Solidariedade apresenta as mais sentidas condolências a toda a família e amigos. Professor de educação especial, há muito está ligado à área social, em especial da deficiência intelectual. A assinatura do Compromisso de Cooperação 2021-2022, no passado dia 5 de julho, foi o seu último ato institucional, reflexo do "percurso de solidariedade e cuidado do outro" que o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou.
“Um homem de causas", comentou o padre Lino Maia, enquanto a ministra Ana Mendes Godinho, referiu-se a Rogério Cação como "grande referência do Sector Social Solidário".

Pedro Vasco Oliveira (texto e fotos)

 

Data de introdução: 2021-07-07



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...