EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Erradicação da Pobreza – Que têm as IPSS com isso?

Em 17 de outubro do ano passado, Dia Internacional para a Erradicação da Pobreza, o Governo divulgou a criação de uma Comissão à qual se pedia que articulasse a participação de muitas instituições sociais e de animação para o desenvolvimento. No Despacho n.º 10277/2020, assinado pelas senhoras Ministras Ana Godinho e Mariana Vieira da Silva, indicavam-se os elementos que formariam essa equipa de Coordenação. É óbvio que a CNIS fez parte do grupo das instituições escolhidas para darem o seu contributo. Não é discutível o contributo das IPSS para se alcançar tão emergente desígnio ético, por ser da mais elementar justiça social.

O compromisso confiado a essa Comissão seria o de apresentar, até 15 de dezembro do ano passado, uma proposta de Estratégia Nacional de Combate à Pobreza. Confesso que, dada a complexidade da missão pedida, considerei, desde logo, o tempo determinado muito escasso. Todavia, passa um ano do início dos trabalhos e a Estratégia ainda não é conhecida; falta cumprir o tempo de audição pública da Proposta que o Governo considerar com condições para esse efeito. Este propósito foi, desde logo, referido no Despacho que, com muita assertividade, assegura a relevância que tem de assumir a contribuição de todas e de todos.

Segundo o Despacho: «É fundamental que a construção desta Estratégia seja feita com o envolvimento da sociedade civil e num processo de ampla participação e debate». Viveríamos num regime democrático mais completo se as decisões mais importantes e com maiores implicações na vida do povo tivessem sempre o seu parecer.

Este seria um contributo muito significativo que as IPSS poderiam dar, promovendo debates com os pais, com os beneficiários adultos, possuidores de condições cognitivas para o efeito e com as colaboradoras e colaboradores das instituições.

Se esta fosse uma prática corrente nas IPSS elas alargariam significativamente, a sua dimensão política - no sentido etimológico da palavra que tem a sua origem no termo grego  - no sentido etimológico da palavra que tem a sua origem no termo grego "politikos" que se refere aos grupos sociais que integram a "Pólis", ou seja a "cidade" - para participarem na organização, administração e orientação de nações ou Estados.

Tendo em conta, os princípios enunciados como alicerces da Estratégia Nacional de Combate à Pobreza, reitero que considerei curtos os tempos concedidos à Comissão nomeada. Decorrido todo este tempo, parece-me que estão já a ser longos demais. É importante que essa estratégia se comece a implementar. Esta urgência é reconhecida pelo próprio Despacho ao constatar que «… a pandemia veio degradar os indicadores de desemprego e agravar as condições materiais de muitos portugueses, impondo para além da resposta de emergência, que tem vindo a ser desenvolvida, uma atuação sistémica e estrutural de combate à pobreza.» Mas é imprescindível ter sempre em conta que a necessidade de se fazer este combate e de vencer, tem que ver também com a pobreza estrutural e geracional que se têm mostrado ser as frentes do combate mais difíceis de enfrentar. Antes do surto pandémico, pelo menos, 17,3% da população portuguesa encontrava-se na situação de pobreza absoluta o que não deixa de ser uma vergonha para um país democrático, assente num Estado que se diz social e um descrédito dos princípios que deram origem à União Europeia. Esta demora pode ter efeitos mais perversos do que parece. É que estão a ser executados, em tempos diferentes, dois outros grandes instrumentos para a coesão social que são o Plano de Recuperação e Resiliência e o Plano de Ação elaborado no âmbito do Pilar Europeu dos Direitos Sociais. Seria importante que estas três “bazucas”, apesar de dimensões e alcances diferentes, “disparassem” coordenadamente para se alcançarem metas integradas e sustentadas. Sem essa cuidada e persistente articulação nenhum destes programas conseguirá alcançar, na totalidade e, por certo, os mais importantes objetivos a que se propõem, e pouca relevância poderá ter a redução das desigualdades e a melhoria das condições de vida, dignas para todos os portugueses, preferencialmente os que estão em condições de vulnerabilidade económica e social que os levam a subsistir com os mínimos do que lhes é consignado pela Declaração dos Direito Humanos.

Sem dúvida que as IPSS têm uma missão incontornável na erradicação da pobreza. Por isso, cada uma, com as suas capacidades e especificidades, deverá identificar e dar o seu contributo para que se cumpram os 12 princípios enunciados no Despacho. Depois de conhecida a proposta da estratégia Nacional para o Combate à Pobreza, deveriam ser identificadas as áreas de intervenção. Aguardemos.

Uma certeza podemos ter, desde já, é que as transformações não se fazem por decreto, mas sim com a mudança de mentalidades e a criação de modelos mais condizentes com uma economia humana integral. Ou seja, uma sociedade menos individualista e mais motivada para o bem comum em que os seres humanos e todas as demais criaturas devam ser considerados como protagonistas verdadeiros da história de cada tempo.

 

Data de introdução: 2021-10-13



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...