XV FESTA DA SOLIDARIEDADE – VIANA DO CASTELO 2022

Tocha solidária levou esperança às gentes e territórios da raia minhota

A segunda etapa da Chama da Solidariedade 2022 pelo Alto Minho prosseguiu hoje pelos concelhos mais a norte do distrito de Viana do Castelo e nos quais está delimitada a fronteira com Espanha.

Foi em Melgaço que a tocha solidária retomou a viagem que a levará até Viana do Castelo, onde no sábado (dia 24) se realiza a XV Festa da Solidariedade.

Hoje, em representação da CNIS esteve Eleutério Alves, vice-presidente da CNIS, que esteve sempre acompanhado por Filomena Araújo, presidente da UDIPSS Viana do Castelo, as duas entidades que promovem a Festa da Solidariedade.

Em Melgaço, junto à Câmara Municipal, a Chama da Solidariedade foi recebida por dezenas de crianças, idosos e pessoas portadoras de deficiência, populações que as IPSS servem e ajudam a crescer e a envelhecer da melhor forma possível.

Depois dos discursos, a cargo de Filomena Araújo e de Diva Amaral, chefe de gabinete do presidente da autarquia, foi tempo de dançar, cantar e conviver, naquilo que foi uma manhã muito diferente do habitual para aquelas várias dezenas de utentes de algumas das instituições do concelho.

Dali, o facho da solidariedade seguiu para Monção, onde no Parque das Caldas, um parque idílico à beira-rio, dezenas de idosos e jovens portadores de deficiência, o acolheram calorosamente, antes de presenciarem a atuação musical a cargo da Universidade Sénior local e que terminou com um belo repasto em jeito de piquenique.

António Barbosa, edil de Monção, sublinhou a importância das IPSS, em especial dos seus trabalhadores e dirigentes, nos cuidados que prestam às populações mais vulneráveis, muitos deles que ali estavam a ouvi-lo.

Por seu turno, Eleutério Alves começou por dizer que “Monção é, hoje, a capital da solidariedade”, lembrando que a solidariedade e o voluntariado que move as instituições são dois sentimentos dos mais importantes que o ser humano pode sentir.

Já depois do almoço, a Chama da Solidariedade rumou a Valença, mais uma vez, recebida por diversas instituições sociais do concelho e ainda pela autarquia, na pessoa da vereadora Ana Paula Xavier, que detém, entre outros, o pelouro da Coesão Social e Habitação.

Também ali houve animação musical, que animou um pouco mais a diferente tarde que os utentes que ali se deslocaram viveram.

Amanhã, a Chama tem passagem marcada a Vila Nova de Cerveira, Paredes de Coura e Caminha, antes de seguir para Viana do Castelo.

 

Data de introdução: 2022-09-22



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...