DROGA

Equipas de apoio vão

Uma equipa constituída por um psicólogo, um assistente social e um técnico de enfermagem vai passar a "patrulhar" as freguesias de Campanha, Bonfim e Paranhos, no Porto, num projecto de prevenção da toxicodependência, da Fundação Filos.

Segundo o presidente da fundação social Filos, padre José Maia, o projecto envolve um total de vinte pessoas que actuarão ao nível da prevenção e da reinserção social das populações residentes nos bairros "mais problemáticos" da cidade, com uma maior exposição ao fenómeno da toxicodependência.

O responsável falava à margem da assinatura de um protocolo entre as juntas de freguesia de Campanhã, Bonfim e Paranhos e a Fundação Filos para aquisição de uma carrinha equipada com gabinete de atendimento e casa de banho para apoio a toxicodependentes e transporte das equipas.

De acordo com os dados da fundação, só nos bairros do Lagarteiro, do Cerco e de S. João de Deus estima-se que exista um total de 1.500 toxicodependentes. O objectivo do projecto, intitulado "A Caminho dos Porquês", é ir ao encontro das pessoas e ajudá-las, procurando perceber um fenómeno que é preocupante e "muito maior do que aquilo que possa pensar-se", explicou o padre José Maia.

De acordo com o responsável, a fundação actua com equipas de apoio no bairro de S. João de Deus há alguns anos, mas agora, com os novos recursos, decidiu iniciar um projecto itinerante, para acompanhar o fenómeno de deslocalização da droga na cidade.

A fundação Filos é uma Instituição Particular de Solidariedade Social (IPSS) que iniciou a sua actividade em 1996 e está disponível on-line através do ’site’ www.filos.com.pt.

05.02.2006

 

Data de introdução: 2006-02-15



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...