OBRA DA CRIANÇA, EM ÍLHAVO

Os tempos de hoje exigem um novo projecto educativo

Com estatutos de 1959, a OBRA DA CRIANÇA, em Ílhavo, ainda passa despercebida a muito boa gente. Criado pelo prior de Ílhavo, Padre Júlio Tavares Rebimbas, actual Arcebispo-
-Bispo Emérito do Porto, desde a primeira hora integrou o Património dos Pobres, instituição que ainda mantém outras valências, nomeadamente o Lar de S. José, para idosos; o Lar do Divino Salvador, para apoio a mães solteiras e a mulheres vítimas de violência doméstica; e 20 habitações para outras tantas famílias carenciadas.
Presentemente, a OBRA DA CRIANÇA, com 36 crianças, adolescentes e jovens em regime de internato, aposta numa reestruturação que seja suporte de um novo projecto educativo, que está a ser preparado para avançar ainda este ano, como garantiu ao SOLIDARIEDADE o prior de Ílhavo, padre Fausto de Oliveira.

A aposta na reestruturação da OBRA DA CRIANÇA, com a consequente implementação de um novo projecto educativo, vem na linha defendida pelo prior de Ílhavo, quando diz que "a Igreja tem de dar respostas sociais de qualidade e com amor, que credibilizem o Evangelho". Temos de formar jovens com futuro e isso só será possível com mais pessoal técnico especializado e em número suficiente, capaz de responder aos desafios dos novos tempos, sublinhou o padre Fausto.
Um projecto educativo com qualidade implica instalações adequadas e uma maior abertura à comunidade, para que ela sinta esta instituição como coisa sua. As ajudas da comunidade não podem ser apenas pontuais, como se tem verificado. E quem diz da comunidade, diz também da Segurança Social, que mantém o protocolo que foi assinado com a OBRA DA CRIANÇA há cerca de 20 anos, sem qualquer reformulação até hoje, o que provoca sérias dificuldades no dia-a-dia. "Os protocolos financeiros com a Segurança Social nem sequer chegam para os ordenados das funcionárias e para os encargos sociais", frisou o padre Fausto. 

ATLEsta valência do Património dos Pobres da cidade maruja é constituída por quatro casas, que correspondem a outras tantas famílias, conforme as idades e as especificidades próprias dos acolhidos. Os serviços são assegurados por uma Directora Técnica (Técnica do Serviço Social) e por 16 funcionárias, estando garantido o atendimento permanente durante todas as 24 horas do dia. 

As crianças e jovens em idade escolar frequentam os estabelecimentos de ensino oficiais da zona e muitos deles estão a ser acompanhadas durante o processo escolar. A OBRA DA CRIANÇA tem ainda um espaço de ATL, não só para as crianças da instituição, mas também para as da comunidade local. 

Cada casa tem uma monitora que assume o papel de "mãe", orientando a vida dos utentes que lhe estão confiados. Leva-os a participar nas tarefas domésticas e está atenta às suas dificuldades, esforçando-se por criar neles hábitos de trabalho, de asseio, de cooperação e familiares.
A Irmã Ester, da Congregação das Franciscanas Missionárias de Nossa Senhora, que encontrámos na horta porque as suas "quatro meninas" (frequentam os 6.º e 9.º anos) estavam nas aulas, sublinhou ao SOLIDARIEDADE como se vive numa família como esta. Todas arrumam os seus quartos e ajudam na lida da casa: trabalham na cozinha, passam a ferro, limpam a casa. Mas também estudam, brincam, vêem televisão e até lêem. Nesta casa há uma biblioteca, com computadores, aberta a todos os utentes da instituição. 

Reconheceu que estas jovens revelam grandes carências, mas admite que, se não puderem seguir para o Ensino Superior, terão à sua frente Cursos Profissionais. E até acredita que, no futuro, possam casar e levar uma vida normal.
Fátima Santos, advogada e membro da Direcção da OBRA DA CRIANÇA, disse ao nosso jornal que as crianças são entregues, neste momento, pelas Comissões de Protecção de Crianças e Jovens e pelos Tribunais, ao contrário do que acontecia antigamente, em que eram as famílias que levavam os seus filhos à instituição, por dificuldades económicas, sobretudo.
Hoje, os menores são encaminhados para esta valência do Património dos Pobres de Ílhavo por factores de risco a que estão sujeitos, nomeadamente negligências familiares, maus-tratos, famílias muito pobres e sem estruturas mínimas e alcoolizadas. "Algumas trazem ’marcas’ profundas que as acompanham toda a vida", disse. 

Por sua vez, Cecília Ribeiro da Silva, a directora técnica, informou que as crianças entram na OBRA até aos dez anos, ficando ali até se poderem tornar autónomas. Para além dos estudos normais e obrigatórios, três jovens frequentam nesta altura o Ensino Superior e alguns conseguem empregar-se, depois dos estudos mínimos.
Ao abordar a questão das relações com as famílias das crianças e jovens apoiados pela instituição, Cecília Ribeiro afirmou que algumas visitam os seus filhos, sobretudo no Natal e na Páscoa, mas não deixou de lembrar que "há famílias que estão impedidas de visitar as crianças, pelos próprios tribunais", por razões compreensíveis e que se prendem com o passado triste de muitas delas. 

Num campo anexo ao sector ATL da OBRA DA CRIANÇA, em hora de recreio, o SOLIDARIEDADE abordou dois "jogadores" de futebol. O Pedro, entrou na OBRA quando tinha um ano. Está aqui há 11 e foram os pais que o trouxeram por serem muito pobres. Anda no 6.º ano, mas ainda não sabe o que quer ser no futuro. Gosta de jogar com os amigos, gosta de ler livros de aventuras e de ver televisão, mas ainda ajuda a fazer as refeições, a pôr a mesa e a lavar a loiça.
O Carlos, de 14 anos, também anda no 6.º ano. Veio para a Obra pouco tempo depois de nascer, porque o pai faleceu e a mãe não o podia sustentar. No futuro gostaria de ser bombeiro, para ajudar as pessoas, e mecânico. Gosta de ler Banda Desenhada, de jogar futebol e basquetebol e de ver televisão. É ele que vai buscar o pão e ainda se responsabiliza por alguns trabalhos em casa.
Ambos ajudam na horta, comum a todas as casas, nos tempos livres e nas épocas de mais trabalho.
Garantiram ao SOLIDARIEDADE que no Verão vão 15 dias para a praia da Barra e que participam em alguns passeios, organizados pela OBRA DA CRIANÇA.

 

Data de introdução: 2006-02-22



















editorial

IMPORTÂNCIA ECONÓMICA E SOCIAL DAS IPSS

Para uma quantificação atualizada da importância social e económica das Instituições Particulares de Solidariedade Social em Portugal a CNIS assegurou o cofinanciamento do Programa Operacional Inclusão Social e Emprego (POISE),...

Não há inqueritos válidos.

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A sustentabilidade da Segurança Social
Quando se tenta perspetivar o que pode acontecer no futuro aos sistemas de segurança social há variáveis que são mais fáceis de prever, mas também existem outras...

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Só quando for um desígnio nacional será erradicada a pobreza
Nas últimas semanas, a pobreza em Portugal voltou a ser tema de abertura em todos os medias. Esta atenção especial deveu-se a informações preocupantes emanadas de fontes...