JORNADAS DIOCESANAS DA CARITAS

Uma Sociedade criadora de emprego, o caso da Península de Setúbal

Nos dias 3 e 4 de Maio a Cáritas Diocesana de Setúbal, realizou no Auditório Municipal Charlot as Jornadas Diocesanas, subordinadas ao tema – Uma Sociedade criadora de emprego, o caso da Península de Setúbal.

Durante dois dias reflectiu-se sobre os desafios que se colocam hoje às organizações e à sociedade em geral, no que respeita ao combate ao elevado desemprego da península de Setúbal e ainda a necessidade de adaptação das práticas das entidades empregadoras, tendo em vista a manutenção dos postos de trabalho e ainda a integração da região numa economia globalizada.

A identificação da necessidade da economia se reestruturar à medida da pessoa, a caracterização dos actuais modelos de sociedade, o exemplo de boas práticas de PMEs e iniciativas da sociedade civil e movimentos da igreja, a formação do homem enquanto sujeito e destinatário do desenvolvimento, foram os temas abordados, centrando-se o pensamento na questão social e ainda na própria Doutrina Social da Igreja.

No final da sessão, a qual contou com a presença do Secretário de Estado da Segurança Social, Dr. Pedro Marques, Bispo de Setúbal, Dom Gilberto Canavarro dos Reis, Governadora Civil, Arq. Teresa Almeida e ainda Presidente da Associação de Municípios da Região de Setúbal, Dra. Ana Teresa Vicente, foram lidas as conclusões das jornadas, as quais apresentaram como prioridade de intervenção as seguintes propostas:

- Promover uma estreita articulação, no terreno, entre os serviços de acção social públicos ou privados e os de emprego e formação;
- Promover um trabalho sistemático de atendimento personalizado e de motivação para projectos de vida pessoal;
- Promover através de uma bolsa de ideias empreendedoras, a criação de postos de trabalho em qualquer actividade;
- Promover o acompanhamento dos processos de desemprego de cada pessoa abrangida;
- Promover uma avaliação conjunta e integrada dos casos abrangidos e a adopção de novas actuações recomendáveis;
- Garantir a avaliação periódica de resultados e de situações pendentes, por representantes de ambos os tipos de serviço;
- Promover a formação informal;
- Promover a difusão do capital humano dos mais velhos, no plano organizacional e societário;
- Promover o apoio aos desempregados nos domínios da terapia ocupacional;
- Criar uma agência regional para a promoção de boas práticas de empregabilidade, depositária e avaliativa de ideias inovadoras;
- Criar grupos locais de estudo da Doutrina Social da Igreja;
- Criar grupos informais de apoio aos desempregados;
- Promover o microcrédito como instrumento de apoio à criação do próprio emprego;
- Avaliar ao nível concelhio a taxa de empregabilidade dos formandos provenientes de acções de formação promovidas pelo IEFP;
- Promover a participação dos diversos agentes na discussão dos Planos de Formação promovidos pelo IEFP para a Península de Setúbal;
- Promover na Península a divulgação de boas práticas de emprego e de formação;
- Reforçar o papel da Rede Social enquanto agente coordenador da intervenção social e promotor da inclusão.

 

Data de introdução: 2006-05-20



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...