COVILHÃ

Casa do Tempo quer conciliar vida familiar e profissional de famílias carenciadas

A associação Beira Serra vai abrir um espaço na Covilhã para ajudar famílias carenciadas e com horários laborais atípicos a cuidar de crianças e idosos e a realizar tarefas domésticas. "Os pais vão poder deixar as crianças na Casa do Tempo, ir buscá-las ao fim do dia e levar para casa uma sopa ou roupa passada a ferro", exemplifica a coordenadora da associação, Graça Rojão.

O espaço, designado de Casa do Tempo, está orçado em 500 mil euros, inclui a remodelação e equipamentos a instalar numa vivenda e está integrado no projecto COMpasso, co-financiado pela iniciativa comunitária E-Qual.

O projecto tem como objectivo facilitar a conciliação entre a vida familiar e profissional dos utentes e resulta da parceria entre a Câmara da Covilhã, Universidade da Beira Interior, União de Sindicatos/CGTP, Núcleo Empresarial da Região de Castelo Branco e entidades estatais.

"Na Casa do Tempo as famílias vão dispor de actividades de tempos livres para idosos e crianças, serviço de refeições e tarefas domésticas", explica Graça Rojão. As famílias com horários atípicos e menores capacidades financeiras são os principais alvos do projecto. Haverá ainda espaços multimédia e de estudo acompanhado, entre outras valências e actividades que estão a ser estudadas, como é caso de ateliers ocupacionais para idosos.

Segundo Graça Rojão, o projecto de requalificação do edifício, com cerca de 500 metros quadrados, está feito e "as obras de remodelação devem começar durante o Verão". Para além de técnicos especializados em cada área, o projecto contará com a prestação da rede de voluntariado que a Beira Serra constituiu ao longo dos últimos anos na Covilhã.

A rede conta com a participação de 75 voluntários e já prestou mais de 1.800 serviços de apoio a famílias e instituições. O projecto COMpasso prevê ainda a realização de acções de formação para empresários e com modelos flexíveis de trabalho que permitam conciliar as responsabilidades profissionais e familiares.

10.06.2006

 

Data de introdução: 2006-06-10



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...