MIRA DE AIRE

População e entidades locais financiam novo lar de associação de apoio a idosos

O novo lar de idosos, em Mira de Aire, concelho de Porto de Mós, foi custeado apenas com o apoio dos moradores e das entidades locais, sem recurso a qualquer financiamento estatal. "A obra custou 600 mil euros e não tivemos qualquer apoio estatal", disse à Agência Lusa Eugénio Lopes, presidente da direcção da Associação de Amparo Familiar de Mira de Aire. "Tínhamos umas instalações antigas, que já não apresentavam condições adequadas, e só agora é que conseguimos ter a obra nova", que terá capacidade para acolher os 32 utentes que a instituição cuida.

Além destes idosos, a associação presta apoio domiciliário a 63 outros utentes, explicou Eugénio Lopes, salientando que a instituição constitui o "maior apoio social" para a população mais velha da sede daquela freguesia serrana do concelho de Porto de Mós.

Para a construção do edifício, a associação contou com um apoio de 80 mil euros da Câmara Municipal de Porto de Mós e 2.500 da Junta de Freguesia de Mira de Aire, cabendo a parte restante à população, que se "uniu em campanhas de angariação".

O edifício, com cerca de 1.300 metros quadrados de área coberta, irá ser a nova sede da associação que serve mais de 10.700 refeições e mais de 7.800 lanches por ano.

O envelhecimento da população e o isolamento de muitos idosos nas suas casas são algumas das preocupações da direcção desta associação. "Precisamos de reforçar o apoio aos mais idosos que ainda estão em casa", até porque esse "número tem tendência para aumentar", disse Eugénio Lopes.

A inauguração está prevista para este domingo, 10 de Fevereiro, com um almoço volante que deverá contar com mais de 600 pessoas.

08.02.2008

 

Data de introdução: 2008-02-08



















editorial

O TRIÂNGULO DA COOPERAÇÃO

A consciência social, aliada ao dever ético da solidariedade, representa uma instância suprema de cidadania, um compromisso inalienável para com os mais vulneráveis e em situação de marginalidade, exclusão e pobreza.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

A Política Melhor (II)
Na continuação dos assuntos abordados no meu texto anterior, reitero que vale a pena, aos dirigentes das IPSS, independentemente das suas convicções ideológicas ou...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

A guerra na Ucrânia e as consequências para a Europa
A guerra na Ucrânia é, sem dúvida, o maior desafio que se coloca à União Europeia desde a sua fundação. É a primeira vez, desde a última grande...