MATOSINHOS

Centro de Dia para Grandes Dependentes

O Centro de Dia para Grandes Dependentes, em Leça da Palmeira, Matosinhos, abriu as suas portas, acolhendo essencialmente idosos do concelho que vivem "completamente dependentes" da ajuda de terceiros, disse o presidente da Câmara, Guilherme Pinto. Localizado no conjunto habitacional da Bataria, em Leça da Palmeira, este centro de dia, que foi comprado pela autarquia em 2007, tem 35 camas e capacidade de atendimento para 44 utentes através do Serviço de Apoio Domiciliário (SAD).

"Este lar significa um grande esforço financeiro", sustentou Guilherme Pinto, revelando que a Câmara investiu 1,5 milhões de euros e assinalando que a infraestrutura se destina "a acolher obrigatoriamente pessoas com elevado grau de dependência".

A gestão deste centro foi entregue, pela autarquia, à Associação de Apoio Social de Perafita, "que tem já provas dadas nesta matéria", referiu o autarca. A Associação de Perafita, fundada em 1997, tem como principal objectivo o aumento da qualidade de vida das pessoas dependentes ou semidependentes que pelos mais diversos motivos se encontrem privadas de relações familiares ou de amizade, de recursos económicos e em condições precárias de saúde.

A Câmara de Matosinhos, consciente de que os serviços de apoio domiciliário "já não constituem resposta suficiente para as necessidades do concelho", resolveram apostar nesta nova iniciativa. "Este lar vai permitir melhorar a qualidade dos serviços que são prestados e mobilizar recursos humanos e materiais para outras situações que, por apresentarem um menor grau de dependência, aguardam em lista de espera, a prestação do Serviço de Apoio Domiciliário".

A autarquia sustenta ainda que, "paralelamente haverá uma redução do número de pessoas que se encontram em lista de espera para admissão em todos os lares existentes no concelho". Guilherme Pinto admitiu que, "infelizmente", ainda há muita procura no concelho deste tipo de apoio social, precisando que os utentes deste novo centro de dia "serão sinalizados pela rede".

15.06.2008

 

Data de introdução: 2008-06-16



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...