OPINIÃO

Juntos, nos caminhos da Esperança

O mês de Maio deste ano ficará assinalado pela visita do Papa Bento XVI a Portugal.
Muito se irá escrever e dizer sobre esta viagem apostólica. Não faltará quem se ocupe em aproveitar a presença de Bento XVI em Portugal para, a propósito e a despropósito, lhe fazer todas as perguntas que julguem poder embaraçá-lo, designadamente sobre os casos de pedofilia praticada por membros da Igreja, sobre o uso dos preservativos, sobre a posição da Igreja em relação ao aborto e ao casamento entre pessoas do mesmo sexo!

Nós, por cá, nesta coluna do SOLIDARIEDADE, entendemos que o lema escolhido para esta visita apostólica “juntos, nos caminhos da Esperança” deverá constituir o mote para outras questões bem diferentes das anteriormente apontadas, embora menos picantes, e por isso, pouco relevantes para o conjunto da comunicação social, com honrosas excepções!
Falar de Esperança, dar razões para a Esperança, mobilizar para esta Causa os portugueses e o Mundo (pois convém não esquecer que o Papa é um Líder Religioso mundial, escutado por milhões e milhões de crentes e não crentes) irá ser, certamente, o eixo das várias intervenções públicas que Bento XVI irá produzir, tanto em Lisboa como em Fátima e no Porto.

De salientar o momento alto que constituirá o encontro do Papa, na Basílica da Santíssima Trindade com os milhares de pessoas, de instituições de solidariedade e sócio-caritativas que no país mantêm acesa a chama da Esperança confirmada por sinais e práticas concretas de apoio social a quem, cada vez mais, se vai sentindo marginalizado e excluído do acesso a bens e serviços de elementar justiça social e cidadania!
Será de prever que desta visita fiquem discursos com um pensamento social e doutrinal a condenar a “ganância e especulação”, a apontar caminhos novos a quem tem a missão de governar os Povos, para que o faça no respeito e salvaguarda pelo Bem Comum, afirmando a urgência em gritar ao Mundo que a Dignidade Humana está a ser escandalosa e dolorosamente manchada!

Esperamos todos que desta visita nos fiquem novas coordenadas doutrinais para uma Ética da Proximidade e da Responsabilidade de Todos por cada um, reforçando o que já sabemos: que o OUTRO é a nossa alma gémea, a nossa outra metade e, por isso, será impossível que alguém se sinta feliz vendo ao seu lado gente que sofre, que passa fome, que faz a experiência da solidão, apesar de rodeada por muita gente!
Fátima vai voltar a sentir-se como o Altar do Mundo onde o sucessor de Pedro afirmará
“urbi et orbi! que há razões para a ESPERANÇA, que a Esperança precisa de apóstolos que acendam em cada mente e em cada coração a luz da Esperança no seu coração e no coração daqueles com que diariamente convivemos!

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2010-05-05



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...