OPINIÃO

Famílias-sanduíche

Com a devida vénia dos sociólogos que recentemente publicaram um estudo sobre a pobreza em Portugal, vou utilizar nesta coluna do SOLIDARIEDADE o conceito de “famílias-sanduiche”, por considerar que as conclusões a que se chegou nesse estudo nos devem merecer uma atenção extrema, dada a sua incidência em 57% dos portugueses que ganham menos de 900 euros/mês!

Assim à primeira vista, 900 euros até parece bastante dinheiro! Mas, contas feitas, a que conclusões chegaremos?
Este rendimento de 900 euros é considerado rendimento elevado para as “famílias-sanduiche” poderem aceder a subsídios, tais como rendimento social de inserção! Por outro lado, este rendimento é muito baixo para usufruir de uma razoável qualidade de vida. Por isso lhes chamam os “remediados” e dependem em muito das redes de solidariedade informais, sobretudo, os pais!

O estudo publicado no estudo de Isabel Guerra, intitulado “necessidades em Portugal: tradição e tendências emergentes” retrata uma classe social, que se enquadra tradicionalmente na classe média baixa, mas que tem expectativas muito elevadas em relação ao seu futuro e, por isso, foram insistindo em estudar, adquirir mais habilitações literárias e/ou cursos profissionais.

Os “remediados”, em princípio, apenas têm acesso a trabalhos precários tendo encargos elevados, nomeadamente com a habitação. Nesta situação encontram-se muitos e muitos jovens cujos pais foram considerados de classe média alta e que, sem a sua ajuda, não se sentem capazes de construir a sua autonomia económica e os seus projectos de vida!

Para além de muitos jovens que sofrem na pele estas situações, existem também empresários de actividades económicas de pequena escala, os adultos empregados em situação de sobreocupação, indivíduos recentemente reformados e idosos que vivem sós!
…E não acontece nada?

Pe. José Maia

 

Data de introdução: 2010-07-17



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...