PRESSLEY RIDGE

Primeira sede inaugurada

A Pressley Ridge, instituição particular de solidariedade social inaugurou a sua primeira sede em Portugal, mais concretamente no Bairro Municipal Casal da Mira, na Amadora, ao fim de 23 anos de actividade em Portugal e a duas décadas de cumprir dois séculos desde que foi fundada nos Estados Unidos da América.
Vocacionada para melhorar a adaptação e desenvolvimento de crianças e jovens com comportamentos perturbadores e respectivas famílias, a Pressley Ridge Portugal tem agora um espaço seu, onde pode melhor levar a efeito a sua missão. O espaço, bastante acolhedor, situa-se numa das áreas em que desenvolve a sua actividade, o concelho da Amadora, mas o braço da instituição estende-se igualmente a Sines e Alcácer do Sal.
Em termos de intervenção no terreno, a Pressley Ridge, que em Portugal é presidida por Kátia Almeida, apenas com a chegada do novo milénio avançou, sendo que a sua principal actividade no nosso País nos anos 1980 e 1990 se concentrou mais na formação e consultoria.


O seu lema, «Ao serviço das crianças, jovens e famílias», ilustra bem o objectivo a que esta equipa de apenas 12 elementos se propõe alcançar, prestando um conjunto de serviços para crianças e jovens com problemas de comportamento, ajustamento e desenvolvimento, procurando mantê-las junto das suas famílias e nas suas comunidades.
A Casa Pressley Ridge funcionará como um centro de aprendizagem e desenvolvimento de competências pessoais, emocionais e sociais, onde as crianças e os jovens inadaptados socialmente, juntamente com as suas famílias, poderão encontrar ajuda para encontrarem o seu lugar no Mundo.
Na cerimónia de inauguração, para além de uma representante da Câmara Municipal da Amadora, Ana Moreno, marcaram ainda presença João Goulão, do Instituto da Droga e Toxicodependência, Luísa Vale, da Fundação Calouste Gulbenkian, e Guilherme Collares Pereira, da Fundação EDP, três organizações que têm colaborado intimamente com a Pressley Ridge na concretização de alguns programas no terreno.

P.V.O.

 

Data de introdução: 2011-03-24



















editorial

ANO 2023: DIFÍCIL E DECISIVO

É com muitas dúvidas e algumas certezas que se perspetiva o ano agora iniciado, que poderá ser tão difícil quanto decisivo. 

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA, PRES. CONF. PORTUGUESA DO VOLUNTARIADO

Novo Ano, novos e exigentes desafios para as IPSS
Antes de mais quero desejar, para 2023, todo o bem aos atuais e aos próximos Órgãos Sociais da CNIS, assim como a todas e todos que compõem a rede das IPSS, em Portugal. Ao...

opinião

JOSÉ A. SILVA PENEDA

O significado de alguns dados do último recenseamento
Em cada dez anos o Instituto Nacional de Estatística responsabiliza-se por proceder à elaboração do Recenseamento Geral da População e do Recenseamento Geral da...