SOLIDARIEDADE

Governo avança até final do ano com formação para dirigentes da economia social

O Governo vai avançar, até ao final do ano, com um plano de formação para os dirigentes das instituições do sector da economia social de todo o país, anunciou o ministro da Solidariedade e Segurança Social. Pedro Mota Soares explicou que "o facto de as instituições de economia social não visarem dar lucro não quer dizer que não tenham de ser bem geridas", no encerramento das conferências sobre economia social, organizadas pela Cooperativa António Sérgio para a Economia Social, que decorreram em Lisboa.

Em declarações aos jornalistas, o ministro adiantou que se trata de um programa de formação inserido no Programa Operacional de Potencial Humano (POPH), específico para os trabalhadores e dirigentes das instituições que trabalham na área da economia social. "Queremos mudar o paradigma entre o Estado e as instituições sociais e dentro do programa do POPH será feito um programa específico dirigido para instituições sociais, para dirigentes e trabalhadores destas mesmas instituições, que vai servir para assegurar a sua formação e a sua capacitação", explicou Mota Soares.

O governante acrescentou que essa formação será feita "apostando em boas regras de gestão com uma visão de futuro e mantendo sempre a aposta na sustentabilidade destas mesmas instituições".

Pedro Mota Soares disse que o seu ministério está neste momento a contactar as diversas instituições, para saber com rigor o número de pessoas interessada em participar na formação, de modo a "pôr os devidos recursos para que este programa possa funcionar".

O ministro não soube dizer quanto é que este programa de formação vai custar, mas garantiu que será financiado com verbas comunitárias.

"Estamos a tentar perceber do interesse das instituições para podermos garantir a todas as pessoas que tenham interesse em participar a sua comparticipação financeira. Será um programa nacional e contamos ter este programa em execução ainda este ano", disse ainda.

 

Data de introdução: 2011-09-19



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...