CNIS

Protocolo de Cooperação explicado em Lisboa

“A sustentabilidade é o novo nome da qualidade”. Foi com esta ideia que o padre Lino Maia encerrou a segunda Sessão de Esclarecimento sobre o Protocolo de Cooperação 2011-2012 que a CNIS está a levar a todo o País e que hoje se realizou em Lisboa.
A Sociedade de Instrução e Beneficência «A Voz do Operário» acolheu o encontro que visou explicar o acordo em vigor com o Estado às associadas de base e intermédias dos distritos a Sul do País.
Perante uma plateia de 285 pessoas, em representação de 182 instituições, os dirigentes da CNIS explicaram o documento e tiraram dúvidas aos presentes. Ao lado do presidente da CNIS na mesa que coordenou a reunião estavam João Dias, presidente-adjunto da Confederação, José Casaleiro, membro da Direcção responsável pela área da Cooperação, e Henrique Rodrigues, assessor jurídico da Direcção.
Durante a primeira hora do encontro os elementos da mesa destacaram as principais alterações e novidades introduzidas no novo acordo com o Estado, seguindo-se mais duas horas em que os representantes das instituições colocaram questões e dúvidas à mesa sobre o protocolo, sendo todas elas respondidas com as questões abordadas explicadas.
“Este não é o Protocolo que desejamos, mas não é o Protocolo que o Governo queria”, foi outra ideia passada pela Direcção da CNIS, nas palavras do seu presidente, que considera ser “óptimo porque é bom para todos”, mostrando-se bastante satisfeito com a “grande adesão” das instituições dos distritos de Lisboa, Setúbal, Santarém, Castelo Branco, Beja, Faro, Leiria e Évora.
O padre Lino Maia voltou a instigar os dirigentes das instituições a demonstrarem, junto dos Centros Regionais da Segurança Social, que sabem quais as instruções que a tutela lhes transmitiu, para que “alguns zelotes não exorbitem” poderes e funções.
Apesar de no final a plateia ser menos numerosas, no final todos pareciam satisfeitos e saíram mais esclarecidos, com alguns a elogiarem mesmo o feito da Direcção em “ter domado a Troika”.
Depois do Porto e agora em Lisboa, Viseu recebe no dia 30 do corrente a terceira e última sessão de esclarecimento, um encontro que se realizará no Centro Pastoral da Diocese de Viseu, visando as instituições da zona Centro de Portugal.

P.V.O.

 

Data de introdução: 2012-03-16



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...