Projecto de diploma sobre subsídio de desemprego sofre alterações

Os beneficiários do subsídio de desemprego com três ou mais filhos vão poder recusar um emprego a mais de 20 quilómetros de distância da sua residência, independentemente da idade dos descendentes.

Esta é uma das alterações introduzidas pelo ministro da Segurança Social e da Família, Fernando Negrão, ao projecto de diploma sobre o novo subsídio de desemprego, apresentado pelo seu antecessor, António Bagão Félix.

Para o secretário-geral da União Geral dos Trabalhadores (UGT), João Proença, «esta medida é positiva mas abrange um número muito reduzido de pessoas». Na sua opinião trata-se de uma medida menor, quando comparada com toda a reforma sobre o subsídio de desemprego, que é «totalmente penalizadora para os desempregados».

«O Estado sempre considerou o subsídio de desemprego propriedade sua, quando os trabalhadores e as empresas descontam para isso», frisa o responsável, referindo-se ao facto do diploma prever uma redução do período de concessão do subsídio em caso de rescisão por mútuo acordo com indemnização. «É o Governo a querer poupar dinheiro à custa dos desempregados», acrescenta Proença.

De referir que, entre outros critérios, este novo regime define como emprego adequado, cuja recusa leva a cessação do subsídio de desemprego, aquele cuja distância entre a habitação e o local de trabalho não exceda os 40 quilómetros. Esta distância é reduzida para metade se a beneficiária ou a mulher do beneficiário estiver grávida, se o agregado familiar tiver três ou mais filhos ou descendentes com deficiência.

 

Data de introdução: 2004-10-27



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...