ATENDENDO AOS INQUILINOS PORTADORES DE DEFICIÊNCIA

Governo estuda alterações à lei do arrendamento

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE), cerca de 20% dos alojamentos com rendas «congeladas» são habitados por pessoas portadoras de deficiência. 77 mil dos 429 mil alojamentos arrendados com contratos anteriores a 1990 são habitados por pessoas deficientes.

Segundo a mesma fonte, citada pelo Jornal de Negócios, em 18% dos agregados familiares, com rendas congeladas, houve uma ou mais pessoas que se declararam como deficientes. Dos 77 mil deficientes que habitam em casas com rendas «congeladas», cerca de 60% são os próprios titulares do contrato. E, deste universo, 44,6 mil pessoas portadoras de deficiência e titulares do respectivo contrato de arrendamento – a larguíssima maioria tem como principal fonte de rendimentos pensões, sejam elas de invalidez ou de reforma. A segunda principal categoria de rendimentos é o trabalho, que representa 20% deste universo, acrescenta a mesma fonte.

Entretanto, o Governo está a equacionar eventuais alterações à lei no que toca à protecção dos inquilinos deficientes. Segundo o mesmo jornal, esta é uma das matérias sobre a qual o Governo mostra abertura, «dentro do princípio de não desvirtuar o diploma». No entanto, o Executivo pretende que as alterações sejam moderadas de modo a evitar um regime de excepção exagerado que se traduza na exclusão dos deficientes do mercado do arrendamento.

A Secretária Nacional para a Reabilitação, Cristina Louro, garante que o Governo aceitará alterações a este nível. «O Governo já mostrou que está sensível em relação a este tipo de matérias e eu tenho a certeza que vai ter em consideração as propostas das associações.

Refira-se que a Secretária Nacional para a Reabilitação está a ultimar a sua proposta, a ser entregue dentro de alguns dias ao Governo.

 

Data de introdução: 2004-10-31



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...