SOLIDARIEDADE

Cartão Solidário: “sempre que usar está a ajudar”

O Cartão Solidário entregou a quatro instituições de solidariedade social cerca de 70 mil euros euros resultantes dos primeiros seis meses deste projecto de angariação de fundos.
A Associação de Pais e Amigos de Crianças com Cancro (Acreditar), a Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV), a Federação Portuguesa para a Deficiência Mental (Humanitas) e a Liga Portuguesa contra a Sida receberam o cheque das mãos de Maria José Ritta, mulher do presidente da República, Jorge Sampaio, durante a cerimónia de apresentação.

Sob o lema "sempre que usar está a ajudar", o cartão é “um compromisso social entre empresas e cidadãos a favor de instituições que se ocupem no terreno de casos e problemas complicados, sobretudo dos sectores mais carenciados da sociedade portuguesa", disse a primeira-dama. Garantindo que iria aderir ao cartão, que custa 20 euros, Maria José Ritta considerou ainda que, "sendo as carências tantas", nunca se pode dizer que "as intervenções são suficientes e que a solidariedade é bastante, ou que a generosidade já chega".

A entrega ocorreu durante a apresentação pública do Cartão Solidário, realizada no Centro Cultural de Belém, onde esteve também o embaixador oficial e "cara" dos "spots" publicitários o futebolista português Rui Costa.

Na compra de bens e serviços das empresas aderentes, os titulares do cartão usufruem de um desconto de cinco a 50 por cento e metade do valor reverterá para uma conta conjunta das quatro instituições. As empresas aderentes, até agora cerca de 80, abrangem um leque diversificado de actividades, desde a saúde, ao calçado, ao vestuário, seguros, comunicações, educação, transporte, hotelaria e turismo, entre outras.

O responsável pela empresa promotora da iniciativa - Promosocial -, Rui Moutinho, anunciou que cerca de 30 mil pessoas já usufruem do cartão, mas que até ao final do ano "o objectivo é atingir os 100 mil titulares". 

Site Cartão Solidário

 

Data de introdução: 2004-11-07



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...