Segurança Social continua a enviar crianças para Obra do Ardina

Segundo o Público de hoje, dia 22, não foi dada qualquer indicação, nem por parte do anterior ministro, Bagão Félix, nem por parte do actual responsável pela tutela, Fernando Negrão, para que a Segurança Social deixasse de enviar crianças para a Fundação Obra do Ardina, apesar das várias "deficiências", "irregularidades" e "indícios de factos com relevância criminal" apontados por um relatório de Novembro de 2003, da Inspecção-Geral da Segurança Social.

O Governo entendeu, nomeadamente, que as situações de nítida e repetida falta de higiene e de segurança nos lares da Obra do Ardina, bem como a falta de qualidade e a pouca quantidade da alimentação e as infracções financeiras evidenciadas, não seriam razões suficientes para desaconselhar a transferência de menores em risco para a instituição.

Não relevou ainda, para esse efeito, continua aquele diário, quer o facto de estarem a ser investigados alegados abusos sexuais envolvendo o presidente da Obra do Ardina, quer os "indícios de prática de crimes de burla, falsificação de documentos e participação económica em negócio" decorrentes da fiscalização da Segurança Social, que - como a inspecção do Ministério da Segurança Social precisou ontem ao Público - foram comunicados à PJ e ao Ministério Público no dia 9 de Janeiro de 2004.

Comparando esta situação com a da Casa do Gaiato, Guilherme Simões, assessor do ministro Fernando Negrão, limitou-se a sublinhar tratar-se de situações diferentes: "Na Casa do Gaiato existiam maus tratos", referiu. 

Ler notícia na íntegra

 

Data de introdução: 2004-12-31



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...