AVEIRO

Centro Social Paroquial da Vera-Cruz celebra aniversário

No dia 4 de Janeiro de 1971, iniciou a sua actividade o Jardim da Infância da Vera-Cruz, instituição que agora é designada por Centro Social Paroquial da Vera-Cruz. O seu fundador foi o pároco de então, padre Manuel António Fernandes, sacerdote com larga visão social e eclesial e a quem a Igreja aveirense muito deve. 

Aquela instituição veio posteriormente a instalar-se no edifício que foi da Família Couceiro da Costa, na rua do Gravito, como revela o Calendário Histórico de Aveiro, e cedo se desenvolveu nas respostas aos mais carenciados da cidade e arredores. 

O Centro Social Paroquial da Vera-Cruz, com várias valências, para o sector da infância, nomeadamente Creche, Jardim-de-Infância e ATL, possui ainda uma empresa de inserção social, um centro de apoio aos imigrantes, entre outros serviços de ajuda às famílias. 

Uma nova valência, A VeraVida, integra-se na rede pública de apoio a vítimas de violência doméstica. Tem nove quartos para mulheres e seus filhos, se os houver, num total de 16 utentes, dispondo, também, de cozinha, sanitários, lavandaria, salas diversas, salão polivalente e gabinetes para técnicos e outros serviços. Vai contar com o trabalho de um psicólogo, de uma técnica de serviço social, de um jurista a meio tempo, de cinco ajudantes de lar e de uma administrativa.

 

Data de introdução: 2005-01-19



















editorial

As amas em Creche Familiar

Publica-se neste número do “Solidariedade” o texto do acordo com a FSUGT, na parte que contempla também os novos valores de remunerações acordado para vigorar a partir de 1 de janeiro de 2024.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

A propósito do contributo da CNIS para as próximas eleições
É já tradição que as organizações de diferentes âmbitos, aproveitem os atos eleitorais para fazerem valer as suas reivindicações mais...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Cuidar da democracia
Neste ano vamos a eleições pelo menos duas vezes (três para os açorianos), somos chamados a renovar o nosso laço político com a comunidade, escolhendo...