PORTO

Provedor do deficiente "atento" aos projectos de reabilitação urbana

O Provedor Municipal do Deficiente do Porto, João Cottrim, prometeu estar "atento" ao eventual desrespeito pelas leis sobre mobilidade em projectos de recuperação de edifícios antigos a dinamizar pela Sociedade de Reabilitação Urbana (SRU) "Porto Vivo". "Já fiz questão de lembrar que estarei atento", disse o provedor, que lamentou um "grande" desrespeito por uma lei de 1997 que visa facilitar a mobilidade de deficientes na via pública e em edifícios públicos.

João Cottrim deu o exemplo do mobiliário urbano, "espalhado pelos passeios sem qualquer critério e dificultando a mobilidade das pessoas". Ainda assim, o Provedor do Deficiente considerou que o Porto tem "experiências de sucesso" em intervenções urbanísticas pensadas sobretudo para facilitar a mobilidade.

O responsável citou o caso específico da Rua de Cedofeita, onde, paralelamente ao projecto-piloto da autarquia para melhorar a mobilidade dos deficientes na via pública, os próprios comerciantes acederam a fazer obras nas respectivas lojas. "A minha esperança é que esta experiência seja alargada a outras ruas", disse, declarando, contudo, desconhecer projectos autárquicos concretos nesse domínio.

O Porto foi o primeiro município português a lançar, há pouco mais de dois anos, um Provedor Municipal do Deficiente, numa experiência já seguida por municípios como Barcelos, Odivelas e Ribeira Brava.

 

Data de introdução: 2005-01-20



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...