PRESIDENTE DA REPÚBLICA VISITOU OBRA SOCIAL DE PROMOÇÃO SOCIAL

Para estar “onde mais se sofre, com as pessoas que mais precisam”

O Presidente da República visitou várias IPSS da cidade do Porto, entre as quais dois centros sociais da Obra Social de Promoção Social (ODPS), a maior instituição social do distrito.
Marcelo Rebelo de Sousa justificou a sua presença com a vontade de estar “onde mais se sofre, com as pessoas que mais precisam dessa presença”, nomeadamente “os que não têm nada, ou têm pouco, ou têm cada vez menos por causa da pandemia”.
Depois de ter visitado o Centro Social do Cerco, logo após ter tomado posse, o Chefe de Estado quis, neste momento difícil para muitos portugueses, regressar, desta feita ao Lagarteiro e a S. Roque da Lameira, para chamar a atenção de todos para os que “estão a sofrer” por causa da pandemia de Covid-19.
“É para eles que vai o nosso pensamento hoje, dure o que durar a pandemia. Nós estaremos com eles sempre, porque são tão portugueses como os outros portugueses. São aqueles que mais necessitam que mais precisam de nós neste momento de pandemia”, asseverou, acrescentando: “Para esses que vivem espalhados por todo o país, mas sobretudo para aqueles que vivem em áreas, como as áreas metropolitanas, onde em maior número o drama social está a bater à porta, é a mensagem muito simples que quis deixar”.
Manuel Moreira, presidente do conselho de administração da ODPS, lembrou a necessidade da “implementação de um verdadeiro plano de emergência social pelo governo de Portugal”, sublinhando os “graves problemas de sustentabilidade das IPSS”, destacando: “O aumento de 3,5% para 2020 das comparticipações previstas nos acordos de cooperação da Segurança Social é manifestamente insuficiente para fazer face aos seus compromissos financeiros”.
Por seu turno, sobre esta questão, o Presidente da República afirmou ter “a certeza” de que o Estado está atento à situação, que é “vital para os tais mais pobres, mais dependentes, mais explorados, mais carenciados que mais estão a sofrer com a Covid-19”.
A este propósito, Marcelo Rebelo de Sousa referiu estar atento, lembrando também que já na anterior crise foram as IPSS a almofada social do país: “Sou muito sensível a essa preocupação. Ainda há dias o padre Lino Maia, em nome das Instituições Particulares de Solidariedade Social, como a União das Misericórdias Portuguesas, chamou a atenção para o acompanhamento e a sensibilidade por parte do Estado para instituições que, por todo o país, constituem tecido tão importante”.
Na visita à ODPS, Marcelo Rebelo de Sousa foi acompanhado, entre outros, D. Manuel Linda, bispo do Porto, padre Lino Maia, presidente da CNIS e assistente eclesiástico da ODPS, e ainda Hélio Loureiro, presidente da Liga de Amigos da ODPS.

 

Data de introdução: 2020-06-26



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...