Há violência grave contra as mulheres

A violência contra as mulheres ganhou visibilidade nos media nas últimas décadas, sobretudo nos casos extremos como o homicídio, mas existe «uma violência endémica» grave que continua na obscuridade - segundo um livro lançado a 10 de Março em Coimbra.

«A violência contra as mulheres não são só os homicídios. Há uma violência endémica contínua, em que se incluem os maus-tratos psicológicos, que fica completamente na obscuridade, apesar de causar milhares de vítimas», disse a autora, Rita Basílio de Simões, à agência Lusa.

Intitulado «A Violência contra as Mulheres nos Media: Lutas de Género no Discurso das Notícias (1975-2002)», o livro de Rita Basílio de Simões «traça o retrato da cobertura noticiosa do tema ao longo de três décadas de história da imprensa diária portuguesa» - segundo uma nota da FNAC Coimbra, onde a obra foi apresentada.

O livro, que resulta da dissertação de mestrado em Comunicação e Jornalismo apresentada na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (UC), analisa as notícias sobre esta temática publicadas no Diário de Notícias entre 1975 e 2002 e no Correio da Manhã durante o ano de 2002.

Outra das conclusões a que a jornalista chegou é a de que «a construção noticiosa da violência contra as mulheres assenta em um repertório de incidentes isolados, baseados nas circunstâncias particulares dos agentes envolvidos, sendo, em geral, pobres os horizontes de sociabilidade contidos nesses discursos».
«Desse repertório de notícias sobre violência são sistematicamente excluídos aspectos relacionados com a diferença de poder social entre sexos, bem como com a aparente incapacidade política para a erradicar, apesar da intervenção jurídico-institucional«, escreve Rita Basílio de Simões na conclusão do estudo.

De acordo com a autora, verifica-se também «uma certa tendência para desresponsabilizar o agressor» nas notícias analisadas.
Na perspectiva de Rita Basílio de Simões, é importante a diversificação das fontes de informação, para uma melhor compreensão da problemática e do seu impacto na sociedade.

 

Data de introdução: 2008-03-13



















editorial

NO CINQUENTENÁRIO DO 25 DE ABRIL

(...) Saudar Abril é reconhecer que há caminho a percorrer e seguir em frente: Um primeiro contributo será o da valorização da política e de quanto o serviço público dignifica o exercício da política e o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Liberdade e Democracia
Dentro de breves dias celebraremos os 50 anos do 25 de Abril. Muitas serão as opiniões sobre a importância desta efeméride. Uns considerarão que nenhum benefício...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Novo governo: boas e más notícias para a economia social
O Governo que acaba de tomar posse tem a sua investidura garantida pela promessa do PS de não apresentar nem viabilizar qualquer moção de rejeição do seu programa.