SOLIDARIEDADE

Jovens criam rede social para apoiar projetos e causas

O padre Lino Maia, presidente da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, e Marcelo Rebelo de Sousa, comentador político, entre outros, fazem parte do Conselho Consultivo do My Social Project. Uma rede social, criada por jovens, que visa mobilizar "pessoas, empresas e causas" para a concretização de projetos sociais. A rede foi pensada por jovens entre os 23 e 30 anos e, numa fase posterior, poderá constituir-se como uma base de dados, que permitirá saber qual o estado do voluntariado em Portugal, disse Pedro Bártolo, um dos criadores do projeto.
Essa base de dados, que conta com o apoio da Universidade Católica Portuguesa, irá ter o perfil dos voluntários, as instituições e empresas que participam no projeto. Pedro Bártolo contou que a ideia nasceu há um ano e três meses da experiência de voluntariado dos membros da equipa que tinham vontade de "criar uma rede social de raiz". "Apercebemo-nos que existe uma segmentação das redes sociais. Cada vez mais é um conceito que se expande e pensámos fazer uma rede social centrada no voluntariado, que faz a convergência entre os interesses das empresas com política de responsabilidade corporativa, das causas, que incluem instituições, e das pessoas", adiantou.
Por outro lado, observou, "Portugal tem uma forte capacidade de se mobilizar e este projeto é aproveitar toda essa energia que Portugal tem".
O jovem deu como exemplo várias acções que foram realizadas nos últimos anos, como a reunião de 18 mil mulheres que formaram uma "Bandeira Humana" no Jamor e os 100 mil voluntários que se juntaram para "Limpar Portugal". Os autores do projeto lembram que "Portugal aderiu em massa às redes sociais" e que já dois milhões de portugueses estão ligados socialmente.
Com esta rede, os jovens pretendem garantir que "os projetos sociais se realizem e que quem está disponível para ajudar consiga encontrar as oportunidades certas para o fazer".
Através do My Social Project, as empresas podem conhecer e associar-se a causas, partilhar e acompanhar projetos sociais próprios ou apoiados e contactar pessoas que estejam vocacionadas para projetos sociais.

 

Data de introdução: 2012-03-21



















editorial

IDENTIDADE E AUTONOMIA DAS IPSS

As IPSS constituem corpos intermédios na organização social, integram a economia social e são autónomas e independentes do Estado por determinação constitucional.

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Eleições Europeias são muito importantes
Nas últimas eleições para o Parlamento Europeu foi escandaloso o nível de abstenção. O mesmo tem vindo a acontecer nos passados atos eleitorais europeus

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Habitação duradoura – a resposta que falta aos sem abrigo
As pessoas em situação de sem-abrigo na Europa, em 2023 serão cerca de 900 mil, segundo a estimativa da FEANTSA (Federação Europeia das Associações...