Sentinela, alerta!

A instituição militar, na sua experiência milenar, para além de uma grande e complexa rede de quadros e patentes especialmente treinados para as suas diversificadas e complexas tarefas, sobretudo em tempos de guerra, sempre privilegiou o papel do "sentinela", de modo a mantê-lo sempre atento e apto a responder, de imediato, ao oficial que lhe transmitir a senha: "sentinela, alerta", gritando bem alto: "sentinela, alerta está"!
Aos sentinelas, que ainda podemos ver na frente de alguns quartéis e de instituições oficiais da República, é confiada a tarefa de manter em prevenção e segurança as altas patentes militares e civis. 

E quem serve de sentinela ao Povo?
Quem percorre e ouve com atenção o país, facilmente se apercebe de que faltam sentinelas que garantam a necessária segurança a quem se sente inseguro e ameaçado.
Quem nos protege da onda de autêntica roubalheira que se abateu sobre os portugueses, traduzida num aumento exagerado e desproporcionado dos preços de tudo quanto é coisa: alimentação, farmácia, impostos, livros, combustíveis, transportes?
Quem nos protege da onda de criminalidade, de roubos e assaltos, de incríveis e aberrantes maus-tratos a crianças? 

Quem nos protege de um vírus que anda pelos corredores dos Ministérios a ameaçar com a aplicação a tudo e a todos do princípio do "utilizador-pagador",ou seja: paga mais quem utiliza mais, a começar pelos doentes que deverão ajudar a construir os hospitais, por serem mais utilizadores que os outros?! 

Quem nos protege da embirração de muitas Câmaras Municipais por não poderem endividar-se, recorrendo à venda a retalho de partes das ruas para parquímetros, a actualizações escandalosas de impostos municipais sobre rampas, reclames, licenças?
E da censura de opinião, da ameaça à liberdade de imprensa, de uma comunicação social às ordens de grupos económicos: quem nos defende?

Sentinelas: precisam-se!

 

Data de introdução: 2004-11-20



















editorial

O COMPROMISSO DE COOPERAÇÃO: SAÚDE

De acordo com o previsto no Compromisso de Cooperação para o Setor Social e Solidário, o Ministério da Saúde “garante que os profissionais de saúde dos agrupamentos de centros de saúde asseguram a...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Imigração e desenvolvimento
As migrações não são um fenómeno novo na história global, assim como na do nosso país, desde os seus primórdios. Nem sequer se trata de uma realidade...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

Portugal está sem Estratégia para a Integração da Comunidade Cigana
No mês de junho Portugal foi visitado por uma delegação da Comissão Europeia contra o Racismo e a Intolerância do Conselho da Europa, que se debruçou, sobre a...