EM MIRANDA DO CORVO

ADFP constrói lar para 44 deficientes

A Associação para o Desenvolvimento e Formação Profissional de Miranda do Corvo iniciou a construção de uma Unidade Residencial destinada a albergar 44 utentes. Um investimento total que rondará os 700 mil euros, destinando-se 500 mil à parte de construção civil e 200 mil euros para equipamentos.

300 mil euros são provenientes de subsídio estatal extraordinário, tendo sido atribuídos pelo então Primeiro-Ministro, Dr. Durão Barroso, aquando da sua deslocação ao concelho de Miranda do Corvo em Abril de 2004. Os restantes 400 mil contos serão suportados pela instituição.

O prazo de execução é de 366 dias.

A nova unidade residencial destina-se a pessoas com deficiência ou doença crónica incapacitante, com redução de autonomia. Dará resposta a pessoas com deficiências motoras, neurológicas, mentais e doença mental crónica, a partir dos 16 anos.

O novo lar situa-se nos terrenos do Centro Social Comunitário, complexo que já alberga uma vasta série de infraestruturas, e onde vivem mais de 200 pessoas, desde os três meses aos 100 anos de idade.

A concepção deste edifício teve em consideração soluções tendentes a propiciar resposta eficaz e humanizada, atendendo às necessidades concretas e diferenciadas dos seus utentes, no quadro geral da deficiência. Foi dado especial cuidado às acessibilidades, através da eliminação de barreiras arquitectónicas, promovendo-se ao máximo a autonomia do utente.

Esta infraestrutura tem uma área bruta de 1690m2, repartidos por dois pisos. Fazem parte das áreas funcionais da estrutura orgânica do edifício 21 quartos duplos, com quarto de banho privativo, televisão e telefone, e ainda 2 quartos individuais também com quarto de banho privativo, tv e telefone.

Realce ainda para as áreas de convívio e de actividades, e para a área dos serviços de saúde.

 

Data de introdução: 2005-01-26



















editorial

SUSTENTABILIDADE

Quando o XXIV Governo Constitucional dá os primeiros passos, o Sector Social Solidário, que coopera com o Estado, deve retomar alguns dossiers. Um deles e que, certamente, se destaca, é o das condições de sustentabilidade que constituem o...

Não há inqueritos válidos.

opinião

EUGÉNIO FONSECA

Agenda 2030 e as IPSS
Em Portugal é incomensurável a ação que as cerca de 5 mil Instituições Particulares de Solidariedade Social (IPSS) existentes, têm vindo a realizar.  As...

opinião

PAULO PEDROSO, SOCIÓLOGO, EX-MINISTRO DO TRABALHO E SOLIDARIEDADE

A gratuitidade das creches entre o reforço do setor social e a privatização liberal
 A gratuitidade das creches do sistema de cooperação e das amas do Instituto de Segurança Social, assumida pela Lei Nº 2/2022, de 3 de janeiro, abriu um capítulo novo...